Triste? Muito triste?

0
427

Durante toda a semana ouvi uma cliente me dizendo que estava triste, muito triste e chegou a dizer em um dos últimos áudios que a sua tristeza doía tanto que parecia que seu peito ia explodir.

Minha ideia (antes) era falar sobre processo motivacional e dar algumas dicas aqui sobre mudança de estado, porém estes áudios despertaram em mim uma enorme vontade de falar sobre isso e acredite que será um daqueles longos artigos, então se desejar mergulhar comigo, aumente a sua atenção e vamos a isso…

Já houve uma época da minha vida em que eu vivia triste, fumava quase 40 cigarros por dia, tinha uma ansiedade brutal e era um eterno insatisfeito, pois nada estava bom e nem sabia qual o melhor caminho para melhorar. No fundo eu “sobrevivia” às vezes bem, às vezes com dezenas de reclamações e na maioria das vezes sem nem me lembrar porque mesmo eu acordava todos os dias da minha vida e fazia sempre a mesma coisa.

Muitos anos se passaram, mergulhei de cabeça na hipnose, me tornei um grande especialista e comecei a ajudar pessoas, no início para ganhar dinheiro, para ter uma profissão, depois compreendi a magnitude da ferramenta terapêutica, aí aprendi mais, estudei, pesquisei, fiz meu mergulho mais profundo e descobri a minha missão de vida, o meu propósito e foi exatamente nesse micro segundo que minha tristeza desapareceu.

Em 21 anos ouvindo pessoas, ficou muito claro pra mim que as que estão realmente vivendo em grande sofrimento e não conseguem ter uma vida feliz, estão desconectadas de um propósito maior, a maioria delas não possui um propósito de vida, na verdade muitas nelas nem sabem o que é viver “ com um propósito” e por não terem os seus recursos despertos, por não compreenderem as suas confusas histórias, elas permitem que o passado (menos bom), que o que chamam de erros permaneça nas suas mentes, dando volta, ganhando força e vão, como num ciclo vicioso, alimentando imagens, sons e “até” criando o que nunca existiu.

Pode parecer estranho alguém ficar preso em situações menos boas e ficar ali remoendo, mas sim é assim que acontece! Imagine pegar um filme e ficar voltando um trecho dele e revendo uma, duas, duzentas e trinta e cinco vezes! Você começa a viver aquele filme e às vezes até altera uma fala, uma cena, um fundo, entende o que quero dizer? O arrependimento, o medo, muitas vezes os momentos frustrantes quando repassandos centenas de vezes, eles não nos libertam, muito pelo contrário, eles nos colocam em uma situação “sem saída”.

Veja isso – Eu tive uma época da minha vida que perdi pouco mais de 2 milhões de dólares e ainda fiquei com uma dívida de pouco mais de 1 milhão e claro que fiquei desesperado na época e por um momento eu achei que estava perdido, mas ficou claro pra mim que ali eu tinha duas saídas apenas: 1º vender meu património, voltar a trabalhar e não permanecer dentro da bolha do medo “ou” 2º me render ao arrependimento de ter produzido os shows errados, nas datas erradas e ter arriscado demasiadamente! Lembro na época de um amigo me dizer: “Eric, isso é igual a cair de moto, se não pegar uma moto e pilotar no dia seguinte, o trauma se instala”. Compreende?

Eu chorei? Sim! Eu fiquei triste? Muitooooooo! Tive vontade de morrer? Algumas vezes, então porque me reergui? Porque consegui dar a volta e mudar o jogo todo? Porque acreditava, porque fazer auto-hipnose na época me levou a desacelerar e compreender o que se passava dentro de mim, porque fiz uma escolha e é sobre isso este artigo! Sobre escolhas.

Já parou alguma vez para pensar que estamos constantemente fazendo escolhas? Algumas saudáveis, outras tóxicas, umas que nos levam a absoluta felicidade outras que nos fazem perder o chão e mesmo quando você evita escolher, está fazendo uma escolha! Fenomenal isso, não é mesmo? Então a minha sugestão aqui “se” está triste, muito triste ou mesmo passando por outro momento desagradável, é que observe com atenção as suas últimas escolhas e “por favor” não faça isso para juntar as ruins e construir um cenário pior do que foi para ficar se torturando, pode ser? Olhe para elas com carinho, com atenção, entenda de uma vez por todas que não se trata de erros, mas de aprendizado!

Quando começamos a olhar para as nossas escolhas com mais amor, compreendemos porque fizemos aquilo daquela maneira e entendemos os resultados que tivemos e isso nos faz crescer (pelo menos deveria) e nos leva para outro patamar! Imagine se eu na época tivesse passado anos da minha vida lamentando a minha perca financeira? Meu Deus! Era apenas dinheiro, papel e sim, foi uma enorme quantidade, mas….. “olha o mas aí”… Mas, se eu consegui ganhar tanto, posso ganhar de novo “ou” até nem precisar de ganhar tanto assim…

A vida não acontece! Ela vai acontecendo…. E neste processo, vamos aprendendo, compreendendo, despertando recursos internos. Às vezes me pego em uma meditação ou profunda reflexão sobre o que faço e como faço no meu dia a dia e amo acreditar que estamos aqui para evoluir, para aprender, ensinar, desaprender, aprender de novo, para somar e tudo isso não pode acontecer apenas em momentos de alegria extrema, não acha?

Em uma das últimas palestras que dei, uma pessoa se levantou, entre as 627 que lá estavam, me questionando se eu tinha certeza que estávamos aqui para evoluir e apesar de ter respondido sem pensar e imediatamente “certeza absoluta”, fico me perguntando, por que outro motivo estaríamos? Me custa a crer que estou aqui neste lindo planeta a passeio, ou que vim apenas para sofrer, sentir dor e trazer dor e desconforto às outras pessoas! Na minha cabecinha (e posso estar errado), não vejo nenhuma lógica em estar aqui e não aproveitar cada segundo para desconstruir crenças limitantes e aprender.

É verdade que já lutei imensooooo contra o meu enorme egoísmo, com meu ego que de vez em quando insiste em dominar a minha mente e corpo e sim, claro que inúmeras vezes fui vaidoso e já virei as costas para quem precisou de ajuda, porém tudo isso tinha que acontecer, para que eu pudesse sentir o processo, compreender a lição e poder avançar, evoluir! Gosto muito de pensar que foi nos meus momentos mais tristes que descobri o que eu não queria para mim, então é normal passarmos por momentos menos bons? Ficarmos tristes e até irmos à lona? Penso que sim.

Agora o que não é nada normal é permanecermos em tais estados “ou” pior ainda, insistirmos em tais situações menos boa, construindo circuitos que nos levem ao pior, e nos levam de novo e mais fundo no pior, isso me desculpem, mas não pode MESMO ser algo normal. Eu já ouvi historinhas incríveis para justificar “no meu caso é diferente”, “ahh Eric, se conhecesse o meu marido, entenderia”, “afirma que podemos sair desta, porque tem dinheiro, mas no nosso caso…” e são mais do mesmo e todas elas têm apenas um fim – Justificar porque estão neste estado e porque não conseguem sair.

Não pense que sou um insensível! Eu entendo que existem tristezas que doem no peito e que doem muito e algumas parecem mesmo que vão explodir, mas a questão nunca é o que acontece, mas sim, como reage ao que acontece e se conseguir ver isso, buscar ajuda se preciso for, aprender soluções diferentes, caminhos diferentes, pode apostar que vai conseguir resultados como nunca conseguiu antes.

A grande questão aqui é que estar triste, anunciar ao mundo, permanecer no estado não ajuda em nada, não muda nada, não nos leva a nenhuma evolução, então sem medo de errar direi – Levante a bunda da cadeira e vá fazer algo com a sua vida! Algo de bom, de extraordinário, algo que realmente possa transformar todo o seu processo, a sua maneira de aprender! Será que não está na hora de realmente buscar ações diferentes? Será que não está na hora de fazer MESMO algo diferente para ter uma vida fodástica?

Recomendo fortemente que procure se conhecer, saber como a sua mente funciona, mergulhar dentro de processos realmente incríveis que possam te levar a viver uma vida tranquila, sem grandes confusões mentais, sorrindo mais do que chorando, sendo mais grato do que pedindo, compreendendo mais do que reclamando, cuidando mais da sua própria vida, do que julgando….

Se conheça e evolua!

Espero de alguma forma ter ajudado e se sim, deixe um comentário aí para eu saber e se precisar de mim, lembre-se que pode me mandar mensagem ou áudio no meu WhatsApp +351 912607888. Às vezes demoro um pouco para responder, mas sempre respondo.

Abraços Hipnóticos,

Comente

comments