Category: Para Começar o Dia


Notice: Trying to access array offset on value of type bool in /home/ericpereira/public_html/wp-content/themes/virtus/core/class/single-post.php on line 546

Notice: Trying to access array offset on value of type bool in /home/ericpereira/public_html/wp-content/themes/virtus/core/class/single-post.php on line 552

Notice: Trying to access array offset on value of type bool in /home/ericpereira/public_html/wp-content/themes/virtus/core/class/single-post.php on line 546

Notice: Trying to access array offset on value of type bool in /home/ericpereira/public_html/wp-content/themes/virtus/core/class/single-post.php on line 552

Chore cortando Cebolas

COZINHAR SEMPRE FOI ALGO QUE AMEI, PRINCIPALMENTE QUANDO EU QUERIA ME DESLIGAR DO MUNDO OU “FINGIR” QUE NÃO TINHA NENHUM PROBLEMA. QUANDO ELA ENTROU NA COZINHA EU ESTAVA DESCASCANDO CEBOLA E CHORAVA EM SILÊNCIO, MAS ELA PERCEBEU QUE COM CEBOLA OU SEM CEBOLA AQUELE MOMENTO MERECIA UM ABRAÇO APERTADO.

pai-auto-estimaEu cresci ouvindo que homem não chora e lembro do meu padrasto me olhando com uma cara séria e um olhar fixo dizendo em um tom diferente! “Eiii… Homem não chora!” E por mais firme que fosse a sua voz, quando chegava na parte do chora, parecia que a voz era entonada e o timbre aumentava, como se ele soubesse como transmitir aquela mensagem.

Claro que não era um especialista em PNL e nunca fez um curso de oratória, mas de alguma maneira inconsciente usava suas técnicas de “pai”, padrasto, de alguém que estava usando os recursos que tinha para educar!

Aí você recebe tais instruções de uma pessoa que naquele momento tem uma posição importante em sua vida e que seu cérebro compreende que deve a qualquer custo obedecer. Naquele momento, mesmo sem saber, inicia um lindo processo que eu chamo de “engolir sensações” e engole o choro (e junto com ele os motivos que lhe fizeram chorar) e outras situações vão acontecendo em sua vida. A imagem, a voz e a maneira como foi lhe dado o comando surgem e você engole de novo o choro (e outra vez aquela emoção).

Vamos crescendo e nos tornando especialistas em “colocar para dentro” o que queremos e o que NÃO queremos… E engolimos outras situações desagradáveis e quando algum facto pior acontece (e o pior também faz parte de um sistema de crenças pré-estabelecidos por nós), deixamos de engolir o choro, pois nem estamos chorando, mas engolimos a raiva, o ódio (Palavras que eu desconhecia, na época que aprendi a não chorar).

E alguns de nós, engolimos junto com todas estas emoções, um belo prato de macarrão, um pedaço de frango a mais, batatas fritas e talvez alguns litros de refrigerante… E está tudo certo, pois no meio desta bagunça emocional toda descobrimos que é até bom comer e comer muito e beber também, pois não estamos naquele momento falando mais de fazer com que os sentimentos ruins apenas desapareçam, mas estamos falando de ter prazer também e isso se torna um hábito bom. Ou melhor, um hábito delicioso.

Claro que quando aprendemos a engolir tantas coisas deliciosas junto com nossas decepções, mágoas, raivas e sensações, também não imaginamos que podemos ganhar 120 kilos ou que podemos ter doenças cardíacas ou diabetes e nem paramos para pensar sequer se alguns de nós vamos nos tornar alcoólatras ou se engolindo pequenas doses de nicotina e fumacinha, vamos nos tornar dependentes de cigarros que dão mesmo um enorme prazer ao acordar, após as refeições, junto com uma bebida e em tantos outros momentos da nossa vida.

Eu penso que fui um bom aluno na arte de ganhar peso e lembro perfeitamente como a minha mente funcionava quando algo ruim acontecia e a historinha que eu contava era tão bem elaborada que logo estava eu no supermercado comprando tudo aquilo que “precisava” para construir mais uma daquelas deliciosas sensações temporárias que iriam me dar um SUPER prazer momentâneo, alguns kilos a mais, algumas horas de arrependimento e depois iria despertar em mim um processo que chamo de “Motivação -1”

gulaA motivação -1, vem logo depois de todo aquele delicioso prazer momentâneo e ilusório causado por ter comido demais e algumas vezes tive-o fumando um cigarro na varanda, ainda com a sensação de ter comido um boi inteiro e com o efeito do refrigerante.

Naquele momento algo tomava conta dentro de mim e mal sabia que estava ativando a minha “motivação -1”, ou seja, eu iria me arrepender, depois iria criar uma falsa determinação, fazia promessas que jamais aquilo aconteceria de novo, traçava um plano mesmo “perfeito” para mudar tudo aquilo e, às vezes, no dia seguinte começava um processo e parava e minha motivação nota 10, logo era -1.

Na maioria dos casos nem me lembrava de nada no dia seguinte e a vida continuava, a minha mente apenas colocava mais uma imagem na parte do meu inconsciente, onde eu colecionava fracassos, tentativas e frustrações.

Claro que depois que mergulhei em estudos, leituras, formações e aprendi a utilizar ferramentas como a hipnose, PNL e Coaching, compreendi muitas coisas e nunca culpei meu padrasto, mãe ou seja lá quem for que me ensinou a engolir ou a desistir, mas o facto é que no início compreendi, mas continuei a cometer os mesmos erros, mas sabemos que os fazia.

Depois comecei a construir estratégias para desconstruir estes hábitos e confesso que no início falhei e não entendia como conseguia mudar a vida de tantas pessoas e tinha dificuldades de mudar a minha, mesmo assim tive outras tentativas e outras frustrações, foi quando percebi que estava sendo muito mental, muito matemático, muito científico e tudo que importava eram 2+2 ser igual a 4.

Eu estava cozinhando e naquele dia até estava bem (Pelo menos acreditava) e comecei a pensar no que estava mesmo fazendo da minha vida e como eu estava conduzindo-a e junto com o entusiasmo de cozinhar, veio o de chorar e sem nenhuma dúvida aquelas cebolas foram o início. Ainda assim me contive, até minha esposa Paula Briani entrar na cozinha e brincar comigo e me abraçar e dizer as palavras mágicas: “Chora! É normal chorar… Coloca pra fora, aquilo que não te faz bem.” Ela não enxugou as minhas lágrimas, não criticou o meu soluço, mas sorriu.

Naquele momento um processo de ressignificação se iniciou e algo não mudou dentro de mim, mas SE TRANSFORMOU! Aquele domingo foi mais que um domingo, foi um momento que vou sempre me lembrar, foi um acontecimento, foi um aprendizado e foi ali que algumas crenças foram abandonadas e minha mente parou de desenhar rascunhos e começou a desenhar projetos!

Não sou um homem perfeito! E como dizia a minha professora de Hipnose Ericksoniana, Beth Alice Erickson, sou perfeitamente imperfeito e gosto de ser assim, mas hoje não fumo mais, não seguro nenhuma de minhas lágrimas, não como carne e nem como para estar cheio ou saciar uma sensação de vazio, principalmente porque este vazio foi completamente preenchido (Pelo Amor que antes estava esquecido em algum lugar dentro de mim).

Chore cortando cebolas!

É mesmo bom e se sua vontade aumentar, deixe que venham as lágrimas, as sensações, as emoções e coloque para fora um pouco do medo, da angústia, da raiva e deixe que venha aqui pra fora tudo aquilo que não te pertence, que não te faz bem e que PRINCIPALMENTE faz parte de um passado que não é mesmo mais o seu.

Eu sou Coach, Hipnoterapeuta, Empresário, Pai, Marido!

Sou conhecido pela maneira como Toco as pessoas, como Transformo suas vidas. Sou conhecido pelos resultados extraordinários que consigo, mas tudo isso só é possível, porque eu também já chorei cortando cebolas.

Que seu dia seja feliz!

Abraços de Sabedoria

assinatura

Read More

Notice: Trying to access array offset on value of type bool in /home/ericpereira/public_html/wp-content/themes/virtus/core/class/single-post.php on line 546

Notice: Trying to access array offset on value of type bool in /home/ericpereira/public_html/wp-content/themes/virtus/core/class/single-post.php on line 552

Notice: Trying to access array offset on value of type bool in /home/ericpereira/public_html/wp-content/themes/virtus/core/class/single-post.php on line 546

Notice: Trying to access array offset on value of type bool in /home/ericpereira/public_html/wp-content/themes/virtus/core/class/single-post.php on line 552

ESTOU COM TANTO MEDO

A ligação durou quase 40 minutos e ele falava ao telefone em tom baixo calmo e, de uma maneira impressionante, transmitia seu medo de morrer. Não queria vir à consulta, não queria esperar nem um minuto – Ele estava no meio de uma crise.

Eu não estava nada calmo, disse o cliente pessoalmente 6 dias depois de ligar e falar comigo no meio de sua crise de pânico. Ele disse que pensou em tantas coisas, respirou, abriu as janelas da casa, pegou o telefone e ligou para alguns amigos. Apenas uma amiga atendeu e recomendou que ele me ligasse. Eu estava almoçando e atendi a sua chamada.

medo-panicoClaro que a minha primeira tentativa foi pedir para ele vir ao consultório, mas não sabia que ele estava no meio de uma crise. Logo que percebi, parei de almoçar e concentrei-me em todos os detalhes que ele me dizia. Naquele momento o meu foco foi simplesmente dissociar toda e qualquer sensação para que a sua mente sábia pudesse trazer alívio para aquela dor. Consegui estabilizar a situação nos primeiros 15 minutos de conversa e depois falamos sobre como tudo aquilo aconteceu e como eu poderia ajudá-lo.
Quando falamos pessoalmente, ele descreveu o episódio como um verdadeiro filme de suspense no qual ele sentia sua boca amarga, pernas bambas e uma angústia que definiu na hora como uma estranha sensação gelada que subia pelo peito e parecia que apertava o seu pescoço.

Contou ainda que não era a primeira vez que teve esta crise e em todos os momentos sentiu-se assim e tudo que pensava era que iria morrer e já não aguentava viver no meio de uma situação desta.

Hoje escrevo este artigo com a sua autorização, pois vamos para a 9º sessão de Hipnoterapia e tenho no consultório um novo e seguro homem. Um ser que tem a segurança de dizer que se sente bem, tranquilo, sem culpa e sorri todos os dias para a vida.

Juntos nestas sessões, identificamos os seus medos, a origem de tudo isso e conseguimos abandonar certas crenças limitadoras. Ajudei-o a viver melhor e no momento presente.

Muitas pessoas vivem este drama de sentirem um medo súbito, pensam que vão morrer e não sabem mesmo o que fazer, mas quando vamos investigar com calma, na maioria dos casos existe uma explicação, uma resposta lógica de como tudo aquilo começou.

Nem sempre consigo levar o cliente à origem, à matriz, mas quando não consigo trabalhamos da mesma maneira utilizando os seus recursos internos para destruir aquela emoção.

Ninguém merece sofrer ou viver uma vida assim, com medo de ter medo! O maior problema destas pessoas “na minha opinião” é o excesso de ansiedade e com isso se perdem-se de tal maneira que já não sabem onde começa o medo e onde terminam as sensações que paralisam o seu corpo.

O mundo está cada vez mais acelerado. As informações mudam a uma velocidade incrível, a tecnologia, as ondas eletromagnéticas, as noticias negativas que chegam até nós através da Televisão, Rádio, Internet, mensagem de telefone, jornais, revistas…

A maioria das pessoas parece sentir uma enorme necessidade de se manterem conectadas e concordo que a evolução faz parte da vida, do nosso130946-160509 crescimento, mas junto com este crescimento acelerado vem a nossa adaptação, dependência e em muitos casos o que deveria ser utilizado para se comunicar torna-se numa muleta gigante, um meio de expormos a nossa vida, desabafar, conhecer pessoas ou simplesmente conseguir mais likes.

Penso que tudo isso contribuiu para que parte da população mundial se tornasse dependente e permanecesse mais e mais ligadas ao perigoso automático da vida.
Às vezes não conseguimos preencher todas as nossas lacunas emocionais e o vazio vem com força, roubando tudo em segundos, deixando-nos vulneráveis e com uma sensação de que vamos morrer.
Os especialistas falam em Ansiedade, Síndrome do Pânico e podemos até escolher outros nomes, isso pouco importa, a questão que todos desejam é compreender porque é que em segundos o mundo pára, o ar diminui, o chão se abre e temos uma sensação triste e vazia que parece que o sangue congela e tudo que conseguimos pensar é que…chegou o fim.

Gosto muito de trabalhar com pessoas que tem medos, pânicos e que não conseguem enfrentá-los. Gosto mesmo de estar diante de pessoas que racionalizam cada passo ou simplesmente choram sem entender o que se passa. Cada sessão, cada cliente é único e a possibilidade que tenho de mergulhar junto com ele é realmente uma experiência fantástica. Aprendo tanto, mas a sensação mais forte que tenho é que a mesma mente que cria o veneno é capaz de criar o antídoto.

Não sou homem de dar conselhos, mas uma dica pode às vezes ser bem aproveitada, então segue apenas uma hoje:

PRESTE ATENÇÃO!

102253Saia do automático da vida, se afaste da maioria, da multidão, do vamos seguir a corrente…
Procure respirar, refletir, sentir e quando for ouvir, ouça os seus pensamentos, a sua mente criativa, o seu inconsciente sábio.

Preste atenção às suas emoções, nos momentos que disse sim, querendo muito dizer não, nas palavras que ouviu, nos gritos que vieram na sua direção e nos momentos que respirou com dificuldade, tendo vontade de responder e engoliu tudo.

Lembre-se dos milhares de nãos que ouviu e lembre-se de todas as vezes que sonhou e alguém disse para acordar, que desejou e alguém disse que era impossível, que se levantou e até foi, mas alguém entrou na sua frente e quando se apercebeu, já se tinha perdido.

E por falar em se perder, PRESTE ATENÇÃO no caminho.

Às vezes estamos indo bem e nos perdemos um pouco aqui, um pouco ali e chegamos a um momento da vida que não conseguimos reconhecer mais a direção e ao invés de pararmos, refletirmos e voltarmos, insistimos em continuar… e o que parece coragem e determinação, lá na frente se tornará desespero e medo, porque não se lembrará mesmo do caminho.

Mas como eu disse, é apenas uma dica.
Pode ser valiosa se compreender e souber utilizá-la, mas pode ser apenas palavras se ficar esquecida em algum cantinho do azul escuro da sua mente.

Faça a Diferença!
Preste Atenção, Não leve a vida tão a sério, Viva, Divirta-se e lembre-se sempre de sorrir e fazer as outras pessoas sorrir também.

Abraços Hipnóticos,

assinatura-3

Read More

Hipnose NÃO Funciona

“TALVEZ A MULHER QUE ESTAVA SENTADA DIANTE DE MIM, EM MEU CONSULTÓRIO, TIVESSE ESPERANDO OUTRA RESPOSTA, MAS COMO PROFISSIONAL SÓ PODERIA DIZER QUE A HIPNOSE NÃO FUNCIONA PARA PESSOAS QUE PENSAM QUE VOU ESTALAR OS DEDOS E ELAS VÃO DORMIR E, 5 MINUTOS DEPOIS, ACORDAR SEM DEPRESSÃO”

Minha secretária já tinha dito que, ao telefone, esta cliente insistia que precisava ser hipnotizada já na primeira sessão e que tinha ligado 3 vezes durante a semana para perguntar se eu tinha dado alguma resposta ao seu pedido. É claro que disse que falávamos na primeira sessão de avaliação.

A sessão começou e Laura (vou chamá-la assim) me cumprimentou e foi logo perguntando se ia ser hipnotizada. Pedi para ela se sentar e relaxar e expliquei que aquela sessão era apenas uma avaliação. Expliquei que jamais faço hipnose sem saber quem está sentada na minha frente e os reais motivos que a trouxeram a meu consultório.

Era visível a desilusão de Laura, mas eu estava muito confortável com a situação. Identifico clientes como a Laura, como pessoas que precisam de ajuda, mas estão em busca de algo que alivie suas dores como um passe de mágica.

Depois de explicar como eu trabalho e fazer uma breve apresentação sobre o método terapêutico da Terapias.Clinic®, Laura explicou que sofria de insónia desde que se separou do marido (4 anos atrás) e precisava, urgentemente, de resolver isso, mas nunca procurou ajuda.

Interessante é que, só depois de 4 anos sofrendo o problema, se tornou urgente e decidiu colocar toda a expectativa na hipnose mas, infelizmente, chegou ao meu consultório seduzida pela ideia de que eu a colocaria em transe em segundos e em 5 minutos ela estaria curada.

Expliquei a ela a diferença de hipnose (Show) e hipnoterapia (Clínica), falei também que sim, era possível entrar em transe em segundos e sempre digo que algumas pessoas entram em 30 segundos, enquanto outras em 30 minutos, mas a filosofia da Terapias.Clinic® não é aliviar dores emocionais, mas tratá-las.

Não criámos um método para servir como calmante ou como um penso que pode ser colocado na ferida e “parecer” que está tudo resolvido. Criámos um método, baseado na experiência de mais de 15 anos, minha e da Psicoterapeuta Paula Briani (minha esposa). Foram muitas noites acordados e muitos finais de semana fazendo formação para compreender o que deveríamos usar e o que deveríamos, jamais, usar com um cliente para obter resultados realmente positivos.

Dentro do nosso método, utilizamos, sim, técnicas rápidas como a PNL – Programação Neurolinguística, mas não para resolver i.s.o.l.a.d.a.m.e.n.t.e e, sim, dentro de um contexto terapêutico.
Se eu fosse resumir o meu trabalho parcialmente, eu diria que ouço atentamente o que o cliente me diz, presto ainda mais atenção no que ele não me diz, crio procedimentos sob medida para conversar com seu inconsciente (em Transe Hipnótico e ali faço uma investigação para saber a causa da queixa que ele me traz) e utilizo a PNL e outras terapias breves para resolver o problema.

E mais importante que isso é que treinamos nosso cliente para saber utilizar sua mente de forma que poderá, sempre que desejar, despertar seus recursos internos e buscar solução para seus problemas, não deixando eles se tornarem uma crença ou um bloqueio que, lá na frente, impedirão ele de viver melhor.

Mesmo explicando em detalhes tudo isso, Laura me diz que está em busca de algo rápido. Então eu afirmo que a Hipnose NÃO funciona para clientes que não estão comprometidos com seus resultados.

mulherNa minha visão (E deixo claro isso), a Hipnose é uma ferramenta terapêutica incrível e pode mesmo trazer resultados maravilhosos mas, como todas as ferramentas, deve ser utilizada com precisão e mestria, pois, quando usada de qualquer maneira, ela pode trazer consequências no futuro e tudo que não queremos é tampar a ferida hoje e, amanhã quando tirar o penso, descobrirmos que a ferida se tornou algo mais profundo, por falta de cuidados.

Arrisco a dizer que não podemos anestesias o problema apenas para aliviar o sofrimento de alguém hoje e, quando o efeito da anestesia passar, a dor ser insuportável, ao ponto de trazer outras feridas e deixar, impresso na mente, traumas.

Eu gosto da maneira que trabalho hoje.
Eu gosto de explicar tudo que vou fazer para meu cliente e amo quando ele compreende que tudo que fazemos é feito sob medida, dentro de um método flexível onde podemos até mudar as peças de lugar mas, jamais, alterarmos o resultado final. E este resultado deve ser extraordinário. Além de ajudá-lo a resolver seus problemas emocionais ele deve aprender a usar sua mente.

Quando inicio qualquer tratamento, minha meta final é que o meu cliente compreenda que o poder está com ele.

Ele sempre sai do meu consultório compreendendo que a mesma mente que criou o problema gerou a solução!

Hipnose é apenas um caminho… Um lindo caminho para nos conhecermos.

assinatura-3

Read More

CURO VOCÊ EM APENAS 3 SESSÕES.

CURO DEPRESSÃO, ANSIEDADE, STRESS, MEDOS, FOBIAS, PÂNICO EM APENAS 3 SESSÕES UTILIZANDO A HIPNOSE. SESSÕES DE 30 MINUTOS EM PROMOÇÃO POR 25€

Quando me deparei com esta postagem, hoje no facebook, logo fui buscar quem estava a publicitar este anúncio e, apesar de não conhecer, vi que era de Lisboa e eramos amigos no facebook. “Eramos”, pois, depois de ler aquilo e ver um pouco seu perfil, logo desfiz a amizade, pois pessoas que brincam de fazer hipnoterapia quero distância.

Já comprei muitas brigas no passado com pessoas que se diziam profissionais e vendiam curas ou resultados em 1 sessão ou até em 3 sessões utilizando a Hipnose. Sei que este artigo pode até gerar polémica (espero que não), mas não consigo me calar diante de tal barbaridade.

Já fui confrontado dezenas de vezes por pessoas que dizem realmente curar pessoas em poucas sessões. Para começar, acho a palavra “cura” um pouco pesada, partindo do pressuposto que ninguém tem o “poder” de curar. No máximo o que fazemos é orientar o cliente, guiá-lo para que o mesmo utilize seus recursos internos para alcançar resultados positivos.

elesEu aprendi, nestes 16 anos atendendo com terapias breves, que a maioria das pessoas trazem junto com as suas queixas um histórico, às vezes longo e não é apenas estralando os dedos que vamos eliminar da mente de alguém estas experiências negativas e, muitas vezes, traumáticas.

Claro que existem muitas técnicas que ajudam o cliente a obter resultados imediatos e eu mesmo já usei centenas, se não milhares de vezes técnicas de PNL para resolver, em minutos, uma questão, mas isso não significa que tratar aquele sintoma, tenha chegado à causa e solucionado a questão definitivamente.

Em muitos trabalhos que desenvolvi utilizei a hipnose, a PNL, o Coaching e outras ferramentas para ajudar o cliente a compreender suas dores emocionais, eliminar crenças ultrapassadas e despertar seus recursos internos.

Sempre defendi que o cliente é único e jamais dois clientes com os mesmos sintomas carregam a mesma história ou possuem as mesmas crenças e, o que muitas vezes funciona com um, jamais vai funcionar com outro, e é por caminhos diferentes que chego à solução dos problemas.

É nítido que cada um carrega seu problema de uma maneira e só podemos realmente ajudá-lo conhecendo bem o que aconteceu e como aconteceu. Tenho resultados extraordinários quando o cliente compreende tudo isso e mergulhamos juntos em busca de respostas e soluções.2805

Uma sessão pode até trazer alívio, despertar boas sensações, mas não creio que seja suficiente para apagar uma história negativa. Aliás, não trabalho para que meus clientes esqueçam nada, nem apague nenhum registro, mas que compreendam o que aconteceu, porque aconteceu e como fazer os ajustes necessários para ser mais feliz com os recursos certos.

A maneira como vejo meu trabalho não significa que o outro esteja errado, mas significa que conheço bastante para poder argumentar e insistir que façamos um trabalho de qualidade, pois não estamos falando de ter uma banca de bananas, mas de transformar vidas e isso envolve família, pessoas, sentimentos e não só dinheiro.

Obrigado por ter ficado até o final comigo.

Quem sabe pode ficar mais alguns minutos e deixar abaixo seus comentários.

Eric Pereira

assinatura-3

Read More

NÃO CONSIGO GANHAR DINHEIRO.

TUDO QUE ENTRA EU GASTO. JÁ TENTEI GUARDAR ALGUMAS VEZES, MAS LOGO APARECE UMA PRIORIDADE E QUANDO VEJO ESTOU COM SALDO NEGATIVO E DEVENDO NO CARTÃO DE CRÉDITO. ACHO QUE NÃO NASCI PARA TER DINHEIRO.

Este é um pequeno trecho da queixa de um cliente que me procurou após assistir uma palestra minha sobre liderança. Sua queixa principal é a falta de sorte e tomado pelo desânimo decidiu vir a uma sessão para saber porque tem tanto azar, enquanto amigos dele conseguem comprar carro e ter uma vida confortável.

Lembro que seu corpo dava todos os sinais de desânimo, ombros caídos, falava baixo, pausadamente e sempre olhando para o chão.

Mas o interessante é que repetiu inúmeras vezes que seu azar era tremendo e nenhuma das vezes se responsabilizou por seus gastos financeiros ou pelo seu descontrole emocional.

É comum pessoas atribuírem seus erros à economia do país, à escola onde estudaram, à educação dos pais, mas jamais falam da falta de planejamento, das escolhas erradas ou do impulso.

Pensei em escrever este artigo, justamente, pelo resultado que já alcançámos, e ainda estamos na 3º sessão. Hoje ele chegou com uma lista de decisões erradas que tomou e, quando dei por mim, estávamos mergulhados em uma minuciosa avaliação para compreender em que momento de sua vida ele se perdeu.

Foram 2 horas de sessão usando apenas a Hipnose Conversacional e devo estes brilhantes resultados ao amigo Miguel Cocco que teve a maestria de me ensinar passo a passo a utilizar a técnica.

dataAinda temos um longo caminho pela frente, pois planejámos 12 atendimentos, sendo um por semana, e assim estamos fazendo. Às vezes o transe precisa ser profundo e a conversa tem que ser com o inconsciente, a parte sábia dele, outras vezes é através de metáforas ou utilizando a PNL que vamos desconstruindo crenças ultrapassadas, mas sempre tem um pouco de hipnose conversacional e no final a sensação que tenho é de etapa cumprida e me sinto bem, pois ele sorri e sua respiração e sua tranquilidade me dizem muito.

Acredito que ainda terei a oportunidade de falar mais sobre ele aqui e, quem sabe, até o final, ele faça seu próprio testemunho.

Mas neste momento o que quero que você perceba é que ser vítima não move a vida para frente, pelo contrário, apenas cria correntes que lhe aprisionam a história triste

que conta todos os dias, mas assumir a responsabilidade pelos seus atos, compreender o que tem feito e principalmente permitir-se transformar, isso sim, é o passaporte para viajar com segurança para o futuro.

Até ao próximo artigo…

Eu ainda atendo mais dois clientes hoje e espero que seu dia também esteja sendo assim, cheio de boas surpresas.

Eric Pereira.

assinatura-3

Read More

ACREDITA MESMO?

ELA DISSE QUE ELE DEVERIA PEGAR NO PESADO, ELE DISSE QUE DEUS AJUDA QUEM ACORDA CEDO E MINHA MENTE GRAVOU, QUANDO OUVI MINHA AVÓ DIZER, QUE HOMEM QUE É HOMEM TRABALHA MUITO.

Interessante como nossas crenças moldam mesmo a nossa vida.

Estava eu aqui fazendo os últimos ajustes para o treinamento MAI – Mudanças de Alto Impacto que ministro amanhã, quando me deparei com uma crença e minha mente me levou logo para a origem, para o momento exato que foi criado, e logo iniciei este artigo para compartilhar contigo um pensamento que pode também ajudá-lo a eliminar de sua vida suas crenças limitantes.

Lembro de morar em uma quinta com minha mãe, irmãos e padrasto e minha mãe estar em uma discussão com meu padrasto e gritar que ele deveria pegar no pesado, ser chefe da família. A briga foi longa e cheia de gritos, numa cena que marcaria qualquer família, mas o fato é que eu tinha 14 anos e me recordo que, naquele momento, comecei a procurar emprego.

1aO fato é que, no decorrer da nossa vida, vamos ouvindo, vendo e sentindo situações que ficam de alguma maneira gravadas em nossa mente e impressas como uma tatuagem e penso eu que o grave destas fortes impressões é que elas não vêm de uma pessoa qualquer mas, normalmente, de alguém que confiamos, que admiramos que possuímos uma ligação forte e, geralmente, tais impressões nem são impostas, são marcadas a uma velocidade que não se recusam.

Não me lembro do meu padrasto sentar comigo e me ensinar maneiras diferentes de contrair dívidas, mas lembro claramente dele fazer contas e, quando alguém chegava em casa à sua procura, ele se escondia e pedia para dizermos que não estáva.

Acredito que a palavra e a maneira como ela é colocada, no contexto que ela é exposta influencia a nossa vida. Mas o exemplo, sem nenhuma dúvida, é imposto, impresso e, algumas vezes, entra em nossa mente de maneira sutil, e fica ali por anos nos influenciando nossas decisões, perseguindo nossos passos e, muitas vezes, nem lembramos, mas nos perguntamos porque agimos como agimos.

É incrível como à medida que os anos vão passando e vou ganhando experiência e fazendo reflexões e estudos, vou ficando mais lúcido em relação às crenças que, de alguma maneira, colaboraram para meu comportamento ruim, para meus péssimos hábitos e principalmente para momentos de angústia que nem sabia de onde vinham.

É mesmo incrível e brutal como nossa mente armazena cenas, cheiros e sons que no dia a dia vão trazendo sensações e sentimentos e às vezes nem lembramos, nem fazemos tais associações. Mas o fato aqui e a pergunta que não quer calar é: VOCÊ ACREDITA MESMO?
Escrevendo para o meu treinamento, me preocupo em ser o mais claro possível, o mais minucioso que posso, para que a minha mensagem chegue ao participante e realmente faça sentido e uma das minhas metas, sempre, é mostrar, de maneira metafórica e direta também, que devemos sempre reavaliar nossas crenças, pois podem estar funcionando de maneira automática, ajudando sua mente a tomar decisões e seguir caminhos como se fosse um antivírus e ser o próprio vírus a causa de parte do dano que sua vida está sofrendo.

Me recordo de um empresário que atendi na cidade do Porto que tinha a necessidade de trabalhar muito, pois cresceu acreditando que ser ocupado, estar ocupado era sinónimo de ser bem sucedido e vivia um stress gigante por isso. Começou a beber doses diárias de whisky para aliviar sua tensão e sentia-se bem em fazer isso todas as noites. Quando me procurou já estava bebendo exageradamente e não sabia mais o que era certo ou errado.

Eu trabalho muito. Mas tenho uma meta apertada e não faço isso porque penso que estar ocupado me faz uma pessoa melhor, pois tenho a capacidade de, no intervalo de um paciente e outro, fazer uma sauna ou passar uma hora na hidromassagem do Spa. A cada 3 meses tiro 5 dias de férias com a minha esposa (isso não é negociável) e, sempre que chegamos de um passeio destes, logo compro as passagens para o próximo, para aproveitar o preço menor e para fixar as datas que devemos sair de férias novamente.

Como este, tenho outras pessoas em consultório que carregam crenças fortes. No Brasil atendia uma pessoa que desde muito novo foi levado pelo pai a ter relações sexuais com prostitutas e, mesmo depois de casado e afirmando amar sua esposa, ele só conseguia ter um casamento feliz se semanalmente estivesse com prostitutas e isso porque o pai dele lhe “vendeu”, durante toda uma vida, esta ideia.

2bQuando me procurou, disse que algo dentro dele não estava bem e sentia que estava errando, mas não tinha forças para mudar este hábito. A este momento mágico onde a pessoa está errando e
percebe que esta errando, mas não sabe como mudar, chamo de momento onde o RI dele está sendo construído. (RI – Recurso Interno). Se ele tivesse o recurso já à disposição teria usado mas, de alguma maneira, sua experiência de vida, amadurecimento, crescimento o conduziu a um novo patamar. Subiu um degrau e isso faz com que obtenha recursos imediatos e a prova clara disso é que começou buscando ajuda.

Minha mãe sempre disse que DEUS ajuda quem cedo madruga e esta é outra crença que carreguei durante muitos anos e que me prejudicou muito, pois minha vida foi se tornando cada vez mais diferente do que chamamos de “rotina”. Minhas formações de hipnose eram feitas nas sextas, sábados e domingos, mas na segunda feira, o dia em que a maioria das pessoas estão levantando cedo para ir trabalhar, eu ficava em casa e, mesmo cansado de um final de semana agitado, acordava cedo e me sentia incomodado por estar em casa ou ir ao cinema… Nem pensar.

12Tive muitos conflitos internos e alguma dificuldade em ultrapassar estas barreiras mas confesso que, no início de todas as minhas transformações, me sentia estranho, mas minha insistência me fez aprender, compreender e me deu experiência para hoje compartilhar, ensinar sem nenhum medo.

Claro que possuo uma certa rotina de vida, pois tenho uma clínica e uma agência de Negócios e acabo tendo mais compromissos, mas o interessante é que estou sempre criando situações novas e me sinto confortável com isso. Exemplo disso é que tenho uma gerente na agência e não vou lá todos os dias e criei o hábito de resolver coisas com ela por telefone ou Skype. Isso me possibilita estar em qualquer lugar e tudo funcionar lindamente.

Imagine se a agência dependesse da minha presença física? Limitaria as minhas viagens e outros compromissos e jamais conseguiria ministrar minhas palestras e treinamentos ou teria que limitar minha agenda e seguir uma regra que foi inventada sei lá por quem.

Não carrego nenhuma culpa de estar na sauna em uma terça-feira qualquer ou por estar caminhando na praia às 10h da manhã como fiz há 2 dias atrás, e ainda me sentei para respirar e apreciar o mar.

Não me sinto mal de ir ao cinema com minha esposa na sessão das 13h, muito pelo contrário. Já pegámos uma sessão das 13h, depois fomos tomar um gelado e fomos para a clínica atender até às 23h.

Temos clientes ocupados que só conseguem estar conosco às 23h, principalmente a Paula que desenvolve um trabalho específico com mulheres e a maior parte delas são figuras públicas, empresárias ocupadas.

Tudo pode ser adaptado, bem gerido, transformado, desde que tenhamos claro no azul escuro da nossa mente que não estamos presos a crenças ultrapassadas que nem sei porque foram impostas, e nem importa porquê ou porque quem, mas se vamos carregá-las ou vamos, de alguma maneira, nos livrar delas.

Apenas lembre-se e tenha em mente que não quero transmitir uma mensagem de “vamos ser irresponsáveis e transgredir leis”, apenas afirmo e com autoridade que podemos, “SIM, SIM”, abandonar crenças que, de alguma maneira, nos limitam, nos aprisionam e nos fazem sofrer.

Me recuso a acreditar que vim a passeio para este mundo e tenho que passar por ele pagando meus pecados, sofrendo e sentindo dor, culpa e medo.

Liberte-se! Permita-se!
E que Todos os seus Recursos Internos sejam libertados à medida que for compreendendo a importância que eles têm em sua vida!

Abraços com Sabedoria,

assinatura-3

Read More

Notice: Trying to access array offset on value of type bool in /home/ericpereira/public_html/wp-content/themes/virtus/core/class/single-post.php on line 546

Notice: Trying to access array offset on value of type bool in /home/ericpereira/public_html/wp-content/themes/virtus/core/class/single-post.php on line 552

Notice: Trying to access array offset on value of type bool in /home/ericpereira/public_html/wp-content/themes/virtus/core/class/single-post.php on line 546

Notice: Trying to access array offset on value of type bool in /home/ericpereira/public_html/wp-content/themes/virtus/core/class/single-post.php on line 552

APROVEITE CADA SEGUNDO

APROVEITE CADA SEGUNDO DA SUA VIDA, ACUMULE EXPERIÊNCIAS POSITIVAS, COLECIONE MOMENTOS QUE VALEM A PENA SE LEMBRAR…

Falamos do que não queremos, falamos alto sobre o comportamento de outras pessoas, apontamos o dedo para julgar atitudes que não concordamos e até fazemos questão de falar, falar e culpar.

Mas, COM CERTEZA ABSOLUTA, vivenciar momentos bons, deliciosos é bem melhor e se não concorda comigo é porque não sabe do que estou falando… (Risos). Qual foi a última vez que foi tomar sorvete e misturou o sabor limão com pistache e ainda colocou uma bola de morando e experimentou estes sabores de olhos fechados?

Qual foi a última vez que acordou um pouco mais cedo e foi até sua janela e admirou a paisagem? Mesmo que não seja a paisagem dos sonhos.

8Não me interessa o que vai fazer, desde que faça com intensidade que coloque emoção, que compreenda o que está fazendo, da maneira que está fazendo e que sinta o que está fazendo… Entendeu?

Se suas lembranças são mais negativas do que positivas, pode apostar que algo está errado!
E sabe que quando pergunto aos meus clientes em consultório e eles têm dificuldade de se lembrar destes momentos lindos, alucinantes de tirar o folego, aí me preocupo e logo penso – Não sei pelo que ele passou, mas sei que precisarei guiá-lo até seu lado criativo, seu lado colorido, encantador, mágico – e depois eles sempre me agradecem.

Adoro viajar e muitas pessoas me dizem que isso sim é colecionar momentos e acho que nestas viagens coleciono muitas boas memórias, mas acreditar que apenas viajando conseguimos, é uma ilusão, pois nestas viagens levamos nós mesmos, nosso humor, nossa sensibilidade, nossa vida, então, esteja onde estiver, com quem estiver, pode construir sensações deliciosas para se recordar.

Basta se permitir e não ter medo de arriscar.
Qual o problema de dançar na rua? Rir alto no supermercado ou sorrir para todos que olharem para você? Rss.

Viva a vida… Viva cada segundo e boraaaaaaaaaaa ser felizzzzzzzzz e ser FELIZ HOJE!!! Ser FELIZ no MOMENTO PRESENTE e não daqui a pouco!!!

Bjo no coração de TODOS!

assinatura-3

Read More

O SILÊNCIO BARULHENTO

LI UM ARTIGO QUE FALAVA QUE DEVERÍAMOS MEDITAR PELO MENOS 5 MINUTOS TODOS OS DIAS E VI UM VÍDEO QUE AFIRMAVA QUE FECHAR OS OLHOS E IMAGINAR É UM EXERCÍCIO QUE CURA.

Não importa se vai fazer meditação, auto-hipnose, se vai apenas fechar os olhos e respirar ou se vai se desligar do mundo… O importante é silenciar o barulho que sua mente faz quando está em silêncio.

A 1627palavra chave no momento atual é desacelerar. Diminuir a ansiedade, abandonar o stress e permitir que o silêncio original tome conta de tudo…. Eu sempre pensei o que deveria fazer no momento que estava em auto-Hipnose, quais os pensamentos corretos que deveria ter e sempre me perdi na organização que criava no azul escuro da minha mente, até o dia em que percebi que me havia encontrado ao me perder.

E que ali, sem pensar em nada, sem ter um script ou uma programação, é que a magia acontecia. Se defendemos que o Inconsciente é sábio, porque não deixar que ele nos guie… Penso que a questão não é o que devemos fazer, mas sim deixar de fazer e mergulhar…

Eu particularmente gosto de me imaginar no alto de um penhasco respirando e pulando de costas e gosto de sentir que este pulo dura o tempo que eu precisar para me desligar e, em algum momento, nesta longa queda, minha mente livre se conecta com algo superior e o elo, o sinal que me conectei é o absoluto silêncio que sinto, que ouço que permito dentro de mim.

Talvez em palavras eu não consiga dizer, me expressar, mas este artigo não está sendo escrito para descrever nenhum processo passo a passo, mas justamente para desconstruir todo e qualquer processo e apenas silenciarmos o barulho que nos confunde, nos faz ser racionais…. Aquele barulho que insiste em limitar um caminho ou impor um sistema matemático.

Esqueça as fórmulas agora, esqueça a lógica e mergulhe… Em silêncio até se encontrar. E se no primeiro mergulho não se encontrar, não se preocupe. Mergulhe de novo, mergulhe de manhã, mergulhe no meio do dia, mergulhe antes de dormir, mas jamais desista da pessoa mais importante deste planeta – VOCÊ!

assinatura-3

 

Read More
104286811

SINAIS – Preste Atenção!

VAMOS IGNORANDO OS SINAIS E A VIDA VAI DANDO ERRADO E DEPOIS RECLAMAMOS QUE NÃO SABEMOS PORQUE UNS CONSEGUEM VIVER EM PAZ ENQUANTO OUTROS VIVEM NA TURBULÊNCIA.

Acredito mesmo que a vida vai nos sinalizando e vamos ignorando a maior parte desses sinais e depois culpamos o mundo, dizemos que não temos sorte e perdemos a fé.

Vamos vivendo a um ritmo acelerado, acumulando tarefas, redefinimos prioridades enquanto nos ajustamos aos fatores externos e não atentamos aos sinais. Então acabamos por fazer escolhas erradas e com isso os resultados nem sempre são o que esperamos.

17Percebo claramente que um dos grandes males do momento é a falta de atenção das pessoas! Muitas nem sequer leem os textos até o final. Acredito que muitas pessoas nem chegaram até aqui e já desistiram nas 4 primeiras linhas, algumas pensando que, por terem lidos 4 linhas, compreenderam e já sabem do que trata todo o artigo. Rs

O “não” prestar atenção faz com que as pessoas façam escolhas rápidas e, às vezes, erradas. Muitas vezes tais escolhas podem levar a um efeito dominó de outras escolhas erradas e depois, para voltar e arrumar toda a bagunça, é mesmo complicado.

Os sinais às vezes são claros, grandes e insistentes, como no dia em que precisa de ir a uma importante reunião e perde as chaves do carro, depois fica preso no trânsito e não encontra uma vaga para estacionar e, 3 horas depois, quando chega ao escritório, percebe que realmente o melhor foi não estar presente.

Existem aqueles sinais sutis, como atravessar a rua em que, por micro segundos, para porque o telemóvel tocou ou simplesmente olha para o lado e passa um carro em alta velocidade à sua frente, tão coladinho que sente o vento e o frio na barriga.

Gosto mesmo de estudar os sinais que considero serem os alertas poderosos que podem transformar completamente nossas vidas. Como as sensações que sentimos pouco antes de tomarmos uma decisão! Sabe aquela voz interna que fala conosco? Se está se perguntando neste momento qual voz é exatamente essa!

Lembro de um negócio mal feito que fiz há alguns anos e senti que não deveria fazer, algumas coisas estavam dando errado e, mesmo assim, insisti e insisti até conseguir concluir o negócio e na época não eram apenas sinais, eram MEGA SINAIS… Lembro de um amigo me dizer que eu estava fazendo aquilo para alimentar meu Ego e, com certeza, daria errado e na última hora, no momento de assinar o contrato, senti que deveria recuar e avancei.17059

A ideia do artigo não é explicar porque não ouvimos estes sábios sinais, mas alertar para darmos mais importância a eles e acredito mesmo que prestar atenção, desacelerar, respirar, entrar em sintonia, se manter mais no momento presente, pode fazer “A DIFERENÇA” a grande diferença entre acertar e errar, a grande diferença em sorrir e derramar lágrimas…

Saber ouvir, interpretar os sinais pode, SIM, ser uma maneira de transformar nossos vícios em hábitos positivos… Pode transformar nossa maneira de enxergar os resultados!

Espero que mergulhe nesta dica, que incorpore imediatamente em sua vida, que se permita!

Read More

Ela tinha MEDO de falar em público.

Ela tinha MEDO de falar em público.

Rubia tem 32 anos, advogada e me procurou para tratar seu medo de falar em público, um dos medos mais frequentes do mundo.

Na sessão de avaliação, Rubia tinha dificuldade até de falar sobre o assunto. Era claro seu nervosismo em “tentar” se expressar e contar como se sentiu em suas últimas reuniões.
Com mãos trémulas e frias, sentindo um frio na barriga, ela, todo mês, precisava fazer uma reunião com um cliente e as 14 pessoas sempre presentes na sala a deixavam muito nervosa.

A sessão durou cerca de 1 hora e falámos sobre vários assuntos mas ela não se lembrou de nada que poderia ter despertado este medo que, a cada dia, atrapalha mais seu trabalho. No entanto esta avaliação foi muito importante, pois tomei nota de pequenas reações e fatos que, com certeza, me ajudariam durante o processo.

Logo na primeira sessão, utilizei uma técnica de relaxamento progressivo, levando a mente inconsciente a fazer uma minuciosa varredura de fatos que poderiam estar ligados ao medo de falar em público e logo nos deparámos com uma forte cena onde os pais discutiam alto na cozinha e ela observava, muda, na porta e, quando seu pai percebeu sua presença, não pensou duas vezes em reprimi-la.

Neste momento, Rubia travou na cadeira e tivemos alguns minutos de silêncio e algumas lágrimas. Depois me relatou como seu pai segurou em seus braços olhando firme seus olhos enquanto gritava que ela não deveria abrir a boca quando adultos estivessem falando…. Não deveria mesmo estar ali e mandou ela para o quarto.

Ela, chorando, dizia: “mas eu não disse nada… estava caladinha, apenas ouvindo meus pais…”

Tivemos mais 5 sessões e em todas nós fomos a momentos significativos, alguns onde o pai a tratava muito mal na frente de amigos e normalmente todos bebendo na sala da casa.

Consegui compreender que seu medo, ou a maior parte dele, estava ligado ao forte comando de seu pai que insistia em afastá-la das pessoas e, quando falava algo, era reprimida.

Interessante é que, na quinta sessão, ela se recordou de ter que apresentar um trabalho na escola e seus amigos começaram a ri de seu nervosismo. Então ela largou tudo e saiu correndo e ainda tropeçou e deu um tombo na sala.

Entrámos e saímos de todas estas cenas e depois fomos trabalhando cada uma com técnicas de PNL – Programação Neurolinguística. Deixámos as cenas preto e branco, distorcemos um pouco a imagem, a lembrança, ela voltou na terceira pessoa se vendo e tivemos até uma sessão onde ela, adulta, hoje com 32 anos, foi falar com ela pequena com 4 anos, 6 anos e 9 anos.

Garanto que foi emocionante! A sessão onde ela se encontrou com sua criança, durou quase duas horas e teve momentos emocionantes e importantes para ela eliminar seu medo de falar em público.

Escrevi este artigo apenas agora pois, depois de quase 5 meses após o termino do tratamento, é que estive novamente com a cliente que veio a uma palestra minha. Contou que sua vida teve uma super transformação, faz suas reuniões com tranquilidade e percebeu que sua comunicação melhorou muito.

Mais um tratamento realizado na Terapias.Clinic®.

A sensação é de missão cumprida, mas com certeza o resultado positivo tem muito da entrega da cliente que mergulhou no processo terapêutico.

Read More