Posts

GARANTIAS! (Parte III) – 146/365

Olá!
Então chegamos à terceira e última dica terapêutica focada no tema (GARANTIAS) e se não leu as dicas GARANTIAS! (Parte I) e GARANTIAS! (Parte II), a minha sugestão é que primeiro leia as anteriores:

Parte 1Parte 2

O foco hoje é falarmos do que podemos fazer já que a vida não nos oferece garantias de nada! Antes de mais nada manter a crença de que devemos trabalhar o máximo que pudermos para construir uma vida saudável e feliz e acreditarmos todos os dias que dentro desta construção muitas situações vão ser longas e duradouras. Podemos sim ter mais momentos felizes do que não felizes e aproveitá-los o máximo que podermos sem nos preocuparmos que isso vai acabar daqui a 3 horas ou daqui a 30 anos.

Hoje, nesta fase da minha vida eu penso como férias! Eu tenho o hábito de tirar férias a cada 90 dias, devido ao excesso de trabalho que tenho e por lidar com a mente das pessoas preciso cuidar da minha também. Então eu tiro 8 dias de férias e nestes 8 dias, esteja lá onde eu estiver, procuro aproveitar cada momento e pode ser que um dia eu durma muito e fique até de preguiça no quarto do hotel e está tudo certo, desde que eu aproveite aquele momento de relaxamento absoluto, entende?

Agora, como seria eu ir para as férias já pensando que 8 dias não são nada, que vão terminar e que agora só faltam 3 dias, faltam 10 horas para eu voltar! Se vivesse assim, deixaria de viver cada segundo feliz para viver cada segundo em pesadelo, então viajar ou estar em casa seria um verdadeiro tormento, concorda?

Viva intensamente os seus dias e construa uma vida mais saudável, se relacione com pessoas diariamente dando o seu melhor, coloque ali as suas melhores intenções e viva verdadeiramente a sua vida. Perceba que não precisa de garantias para que a vidas seja boa! A garantia que precisa é que vai se esforçar e esta depende única e exclusivamente de você! Olha que interessante, hoje acordei muito cedo para escrever esta dica, pois daqui a pouco vou para o Instituto de Lisboa e tenho agendado lá 5 clientes hoje na parte da tarde e planejei que à noite iria focar em terminar de ler um livro, mas quando vejo o meu email, tem lá uma sugestão para uma reunião e ok?! Outro dia leio.

Quando aprendemos a trabalhar com decisões e prioridades, vamos compreendendo que pode ser que o jogo que demoramos anos para aprender mude e o que vamos fazer? Desistir ou nos ajustar ao novo jogo? Está tudo certo, desde que façamos com calma, sem ansiedade e vivendo o dia a dia. E quando digo para vivermos intensamente não é para fazermos loucuras e sermos irresponsáveis, ok? É apenas para colocarmos intensidade nos nossos atos! Para fazermos com a alma, com o coração, com os nossos desejos mais profundos…. Apenas isso.

A vida pode até não nos oferecer garantias e está tudo certo, porém, cabe a nós construirmos a nossa estabilidade mental, fortalecermos as nossas emoções e compreendermos que tudo e absolutamente tudo nesta vida são experiências. Se tratarmos estas “experiências” como elas merecem, elas jamais serão esquecidas numa gaveta mental qualquer, elas irão diretamente e ativamente permanecer no nosso centro das emoções e isso pode fazer uma grande diferença na nossa vida. Eu espero que possa fazer mesmo, pois se compreender o que estou dizendo aqui nestas três partes, compreenderá que vale a pena trabalharmos para sermos verdadeiramente felizes.

Eu do lado de cá tenho diariamente a sensação que estou contribuindo para que algumas pessoas se sintam melhor a cada dia e gosto de acreditar que alimentando a mente com tanta informação pode ser que muitas das pessoas que me seguem já possuem a sensação que a vida não oferece nenhuma garantia, porém que vale a pena mergulhar profundamente e viver cada segundo.

Desejo felicidades e ficaria grato e feliz se comentasse o que achou desta dica feita desta maneira, dividia em 3 partes, pois estou pensando em repetir a dose com outros temas e quem sabe pode me ajudar dizendo que gostou, se ficou cansativa ou com outra sugestão.

Share

EXTREMOS – 141/365

Na Dica Terapêutica de hoje quero abordar um tema que julgo ser interessante e creio que muitos dos meus leitores irão se identificar. Penso que uma vez identificando este padrão na sua vida, pode observar com um pouco mais de atenção e quem sabe fazer os ajustes necessários e compreenderá porque falo de ajustes.

Em consultório já tive diante de mim pessoas que realmente vivem nos extremos, ou estão muito bem ou estão muito mal, ou odeiam com todas as suas forças ou amam loucamente. Com o tempo fui observando que viver nos extremos das emoções é altamente prejudicial.

Eu tinha um colega de trabalho no Brasil que por qualquer coisa fazia uma grande festa, dava uma importância a algumas situações banais e simples que quando um facto era realmente importante e merecia aquela festa toda, recebia o mesmo entusiamo, pois ele não sabia dosear o seu entusiasmo. Então tudo era mega, ulta incrível e transmitia isso de uma maneira intensa, porém quando estava mal tudo era um grande problema e quando digo grande eu estou dizendo mesmo GRANDE! Gigante, exagerado.

Penso eu que viver nos extremos não tem nada de saudável e devemos saber a dose certa de emoção a colocar no que fazemos, pois existe uma grande diferença em nos entusiasmarmos por algo que (merece) o nosso entusiamo e você se entusiasmar porque a maquina de café fez o café, cumprindo o que ela simplesmente já faz muito bem todos os dias.

Sei que cada pessoa é única e cabe apenas a ela medir o seu grau de alegria ou tristeza e cada um se expressa à sua maneira. Não quero aqui podar ninguém, apenas trago a sugestão da observação, para aos poucos buscarmos o equilíbrio emocional em nosso dia a dia já que as emoções podem se tornar um vício e quando percebermos, podemos estar altamente viciados a viver nos extremos. Agora pensa comigo, como é ruim viver assim, né?

Há poucos dias atrás eu atendia uma pessoa via Skype (sessão Coaching) e ela fazia um drama gigante em cima de uma situação que não merecia tudo aquilo. Então coloquei-lhe a questão dos extremos. Não só ela gostou da ideia, como também me trouxe outras situações parecidas e me disse que desde pequena via a mãe também a dramatizar a vida e chegou à conclusão de que na verdade este “padrão” foi copiado da mãe.
É normal em algum momento da nossa vida darmos importância a alguma situação que nem merece a nossa atenção, quanto mais importância, compreende? Aí fazemos daquela pequena cena (um copo de água), um filme de suspense com trechos de terror (Uma intensa tempestade) e uma vez não prestando atenção, o que vem a seguir? Outras situações idênticas e quando damos conta estamos vivendo nos extremos das nossas emoções.

Em um seminário (MAI – Mudanças de Alto Impacto), uma aluna disse que vinha de uma família Italiana, sangue quente e todos eram muito intensos e qual o problema de viverem nos extremos? Lembro que aquela pergunta enriqueceu a aula e espero que enriqueça a dica aqui! Atenção que ser intenso não significa viver nos extremos, pelo menos na minha opinião.

Podemos ser intensos em fazer algo e colocar toda a nossa energia para conquistar aquilo ou comemorar aquela vitória, mas não colocamos intensidade para ficar tristes, entende? Não colocamos intensidade em algo que com certeza vai nos deixar pior. Já viver nos extremos é uma hora ser 8 e outra ser 80! Ou estou muito feliz ou muito triste e porque não posso apenas estar bem?

Eu já estive nesta gangorra de bem e mal, frio e quente e gostava desta “adrenalina toda, porém hoje vivo uma situação mais tranquila e sinceramente o morno me satisfaz mais. O tempo me ensinou que viver nos extremos é aumentar consideravelmente o nível de stress, carrega a mente de dúvidas, de incertezas e esta (instabilidade) toda realmente não nos faz bem…. Mesmo que não! Nem um pouquinho!

O meu convite hoje é que realmente apenas observe os seus pensamentos, as suas atitudes, ações e perceba se está vivendo lá e cá e se está gostando disso! Se é para viciar em algo, que seja em algo que realmente contribua para colocar na sua boca sorrisos dos mais genuínos! Se é para viver de verdade, que seja usando a intensidade para inspirá-lo dia após dia a ter mais momentos felizes!

Um dia morno… Sim! É o que eu desejo.

Share

É Simples Assim… – 140/365

Ontem eu fui pra cama com um pensamento e fiquei alguns minutos com ele na minha mente até adormecer – Porque Sofremos? Porque é que às vezes nos decepcionamos? Porque sensações menos boas como esta às vezes invadem a nossa vida? E no meio da noite acordei com uma palavra EXPECTATIVAS!

É mesmo interessante que na maioria das vezes criamos expectativas sobre quase tudo, já percebeu? Vamos a um restaurante novo e criamos expectativas sobre o sabor daquela refeição, vamos ao cinema e criamos uma expectativa sobre aquele filme e nas nossas amizades e relações, negócios e quase tudo o que fazemos a tal da expectativa está presente

Expecativa = Ato ou efeito de expectar = ESPERA. Esperança baseada em supostos direitos, probabilidades, pressupostos ou promessas.

Penso que às vezes valorizamos demais uma situação, construímos uma expectativa tão grande em relação a determinada situação e ela não se apresenta exatamente como desejamos e as consequências são de desânimo, tristeza, frustração e tudo isso junto ou separado nos proporciona sofrimento.

Eu, sem medo de errar, digo que já sofri mais! Muito mais. Hoje vejo a vida por ângulos diferentes e claro que ainda tenho sensações como todos, porém estou mais atento quando surge a ansiedade, quando algo me entusiasma ou a expectativa é muito grande. Hoje graças à minha experiência cuidando de pessoas, consigo estar mais presente e isso não significa que não caí em algumas armadilhas da mente, ok?! Significa apenas que evito a maioria.

Estou sempre em busca de informação, fazendo pequenos testes, experimentando sabores diferentes para compreender o que podemos sentir, fazer, alterar e tudo com o mesmo propósito que é ter mais momentos felizes na minha vida e evitar o sofrimento.
Eu não sei se foram os sofrimentos que eu já tive na minha vida ou se foram os inúmeros sofrimentos dos meus clientes que observei nestes 18 anos, mas o facto é que olho para a questão (Sofrimento) de uma maneira diferente e penso mesmo que o sofrimento é apenas um resultado de uma ou mais ações de deveriam ter dado certo, mas não deu pelo excesso de expectativa, a falta de experiência ou mesmo as duas coisas juntas.

Talvez e só talvez eu possa estar certo, mas o facto é que todas as experiências são de alguma forma positivas, pois nos ajudam a compreender um pouco melhor tudo o que está à nossa volta e negativas ou positivas as experiências somam no nosso processo de aprendizado e não estou dizendo que o sofrimento é positivo, ok? Não compartilho da opinião que devemos viver em sofrimento, porém se conseguirmos encarar a experiência negativa como um processo de aprendizado, ela morre ali e não se torna “o” sofrimento, compreende a minha opinião?

O título desta dica terapêutica é “É simples assim…” porque acredito que seja muito simples mesmo e se prestar atenção comigo neste meu raciocínio perceberá que viver é muito mais simples do que possamos imaginar. Muitas vezes acredito que sobreviver é que é super complicado e muitas pessoas sobrevivem entre o caos, as intrigas, as reclamações e fazem das suas belas vidas verdadeiros campo de guerra. Depois entre tantas confusões não sabem para que lado correr e se dizem ansiosas, não conseguem dormir, ficam confusas, culpam o mundo e não assumem as suas responsabilidades.

Quando olho para muitas situações com um pouco mais de calma e atenção (SEMPRE) percebo que poderia ter falado mais baixo, agido com mais cautela, esperado mais 1 ou 2 dias, dado um abraço mais forte, sido mais educado, agido com um pouco mais de humildade e sempre, sempre percebo que posso corrigir a minha postura diante do mundo para eu ser melhor e o mundo ser melhor.

Preste um pouco mais de atenção na sua vida, nos seus movimentos, nos seus pensamentos, no que ouve, na maneira como interpreta o que ouve… Sinta mais e procure compreender aquilo que sente e se preciso for, tire uns minutos para inspirar e expirar e veja a sua vida por ângulos diferentes! Mude as lentes e viva intensamente as suas experiências, mas não permita que nenhuma delas vire sofrimento!

Simplesassim

Share

Está MESMO valendo a pena? – 137/365

Eu sou, sem nenhuma dúvida, uma pessoa de fases e talvez todos sejamos! A questão é que as minhas fases são muito conscientes e olho para as elas com muita atenção, mergulho nelas, mesmo nas que me trazem momentos (menos) felizes. Hoje vivo “intensamente” a fase do “Está MESMO valendo a pena?” e durante esta dica terapêutica compreenderá os meus mais profundos pensamentos e quem sabe conseguirá responder esta pergunta para si?

Hoje tudo o que faço precisa ter sentido, tem que ter prazer envolvido, precisa ligar com outras coisas para criar uma conexão maior, muito maior e fazendo sentido, me deixando confortável digo que estava valendo a pena. Quando existe desentendimento, tristeza, sofrimento, digo que não está valendo a pena. Penso que temos apenas uma vida e ela passa muito rápido para brincarmos de casinha ou desperdiçarmos tempo sonhando deitando no sofá e encarando uma dura realidade. Mesmo que acreditemos que depois desta teremos outras vidas, não me canso de dizer que hoje estou vivendo esta e tudo o que posso fazer para melhorar (nesta vida), tenho que fazer aqui e não em outra!

Lembro de um dia no meu aniversário a minha mãe me comprar um robô castanho com controle remoto e eu tinha 8 anos de idade. Ontem eu ouvia a minha filha de 17 anos, falar sobre a sua vontade de ingressar na universidade para ser bióloga marinha e eu com 41 anos sentado ao lado dela ouvindo os seus planos. Meus Deus! O tempo realmente passou, continua passando e quando nós aqui percebermos, estaremos falando sobre o natal.

Nesta minha fase tenho me dedicado a fazer apenas o que gosto muito de fazer, o que realmente amo fazer e algumas pessoas quando falo sobre isso acham estranho, pois estão acostumadas a fazer porque precisam fazer e isso não se encaixa mais na minha maneira de fazer, compreende? Eu amo a minha vida…. Amo atender e utilizar a hipnose, a programação neurolinguística e o coaching para ajudar as pessoas a transformar as suas vidas, porém não quero mais atender 10 pessoas por dia! Então reduzi e hoje atendo apenas 5.

Eu amo ministrar palestras e estar no palco compartilhando técnicas e ensinando as pessoas a melhorarem as suas vidas, porém nem todos os convites para palestras eu aceito! Muitas delas recuso e juro que me sinto muito bem recusando convites, pois não quero chegar no final do ano e dizer que fiz 24 palestras. Talvez 4 grandes e inesquecíveis e assim sentindo-me confortável vou vivendo a vida e gosto imenso disso.

A vida é curta e sabemos exatamente o dia que nascemos, mas a data que vamos partir é desconhecida. Então será que vale mesmo a pena vivermos por viver sem saber o que vai acontecer? Pensa comigo? Vale a pena você comer todos os dias aquilo que não gosta? Viver com pessoas que não suporta, se relacionar com pessoas que passam a maior parte do tempo brigando em vez de amando? Não sei quanto a você, mas eu já não quero mais isso e garanto que não tem nada com excluir ou ser melhor que ninguém! Está apenas relacionado com o facto de fazer a vida valer a pena.

No final do ano passado lancei o livro 100 Dicas Terapêuticas para Transformar, que neste momento já vai para a segunda edição em Portugal e já se encontra traduzido em Espanhol, Inglês e em breve estará em outros países. Esta semana entreguei o segundo livro ”+100 Dicas terapêuticas para Transformar” que deve sair em Agosto e há 12 dias estou trabalhando no 3º livro “Ponto Zero” Porque eu AMOTUDOISSOX2 e escrever, transmitir informação, somar na vida das pessoas, ajudar de alguma maneira pessoas comuns se transformarem em pessoas extraordinárias, isso me faz muito bem.

O que é que você tem feito que faz realmente sentido na sua vida? Já parou para pensar o que deseja deixar para as pessoas? Como quer que os seus filhos vejam você amanhã? Quer mesmo que eles tenham orgulho? Como quer que os seus netos, amigos lembrem de você? “Ahhh ele era tão especial, pena que fumava 40 cigarros por dia e vivia fedendo”,
“Ela era uma pessoa maravilhosa, se não fosse o seu vício de beber todos os dias, quem sabe estaria mais este natal com a família.”

Eu quero deixar um legado para as pessoas e faço isso gravando vídeos, podcasts, escrevendo livros e não precisa ter o desejo de transformar pessoas em vários cantos do mundo, mas pode querer apenas se transformar, transformar as pessoas ao seu redor, ter mais momentos felizes do que menos felizes, não acha?

Confesso que às vezes estou no avião fazendo a oitava viagem de avião do mês e me sinto um pouco cansado, mas é um cansaço diferente! Não estou cansado porque o mundo está pesado e a vida é chata! Estou cansado porque exigi muito de mim, porque decidi colocar mais 3 pessoas na minha agenda, porque li 20 páginas de um livro a mais do que costumo ler. Porque fiz uma live extra para levar mais um pouco de informação, e? E está tudo certo!

Outras vezes adoro passar o dia em casa de pijama assistindo séries o dia inteirinho e o que tem de mal isso? Absolutamente nada, pois foi mesmo delicioso levar os meus pensamentos para outro lugar completamente diferente do meu dia a dia. Adoro fazer isso!!! Adoro viver a minha vida com a sensação de que está valendo a pena.

E você está fazendo MESMO por onde? Está valendo a pena aquilo que faz e como faz? Uma pergunta para você refletir: Quando chega no final do dia, da semana, do mês como é a sua matemática? Mais pontos positivos ou mais negativos? São momentos de tirar o fôlego ou vive sem fôlego? Vale a pena ser quem é?

Share

Ela disse NÃO e foi feliz para sempre! – 136/365

Ela namorou durante 5 anos, fizeram planos juntos e até compraram um cão que se chamava Bob. Um dia ele pediu-a em casamento e ela disse não. Ele chorou, ela chorou, o tempo passou e todos foram felizes para sempre!

Final feliz sem casamento depois de 5 anos de namoro? Peraí, como podemos falar em final feliz com um NÃO terminando tudo? Calma que vou mais fundo no conceito desta dica terapêutica e claro que fiz apenas um breve resumo da história, apenas para ilustrar a ideia de dizermos não quando queremos dizer não!

Uma cliente me contava outro dia, em um atendimento em Lisboa, que viveu uma relação de 5 anos cheios de momentos altos e baixos, mais baixos do que altos, e na intenção de melhorar as coisas ele a pediu em casamento, mas ela achou que depois de tantas brigas e até de sofrer agressões verbais, ela deveria recusar o pedido. Ali ambos se sentiram chateados e magoados, porém em poucos meses ambos estavam felizes e aquele simples e amargo NÃO foi mesmo transformador.

Muitas pessoas dizem sim quando deveriam dizer não, por vários fatores diferentes, mas a maioria sente “culpa” e acha que concordando com o outro conseguem de alguma maneira aliviar a sensação estranha que sentem. Não estou falando apenas em relacionamentos, mas em todos os casos em que a vontade é dizer não e por falta de coragem dizemos sim, ok! Tudo bem….

Se estiver atento à sua vida, inúmeras vezes vamos acumulando situações menos boas, pelo simples facto de não sabermos lidar com os resultados de dizermos não! E se eu disser não para a minha mãe, quando ela me pede dinheiro emprestado? Ela pode se magoar, pode estar realmente precisando, ela fez tanto por mim, me criou e aí vamos alimentando os pensamentos com tantas historinhas até que um sim é a melhor saída! E se todas as pessoas que eu amo me pedirem dinheiro? Entende a ideia?

Tenho um namoro longo e com tantos momentos incríveis, mas não existe mais amor, cumplicidade ou até vontade de fazer coisas juntos e o que devo fazer? Continuar diariamente dizendo sim e deixar a vida passar e (tentar) ir consertando as coisas a cada momento que vivo? Ou melhor que tento sobreviver entre as brigas e opiniões desencontradas?

Eu posso estar errado mas tenho um pensamento fixo que diz que (TODAS) as decisões devem ser tomadas com cautela e se preciso for devemos adiar a resposta e pensar com calma, mas dizermos sim quando deve MESMO ser um sim e dizer um NÃO, quando decidimos que deve ser um não e aprendermos a conviver com o resultado das nossas escolhas. Podemos errar de vez em quando e penso que isso será mesmo normal acontecer, mas temos que estar conscientes que estes erros também contribuirão para aprendermos a fazer as escolhas certas e no final chamaremos isso tudo de experiência dentro de uma coisa que chamaremos de vida.

Quero apenas chamar a sua atenção para um pormenor nesta dica terapêutica, um pormenor que faz toda a diferença e no dia a dia as pessoas desconsideram! Nós temos apenas esta vida! Sabemos a data e hora que nascemos, mas não sabemos quando vamos partir e pode ser a qualquer momento, inclusive agora! Desculpa, mas é a mais pura verdade isso e quando penso nisso, no mesmo segundo me pergunto se vale a pena ter uma vida ruim? Carregar culpas, acumular desgostos, viver magoado e coisas do género, para alimentar algo que nem deveria ser alimentado.

Viva a sua vida intensamente e com responsabilidade! Viva de verdade, viva com prazer, viva por completo e não com metades. Eu há muito tempo decidi que metades não me interessam mais, quero coisas inteiras. Pequenos fôlegos de felicidade não são pra mim, quero longas horas de respiração feliz. Perder noites de sono, derramar lágrimas e chorar horas por medo, por culpa, por situações que não me fazem nada bem não é viver a vida e sim passar por ela, com cuidado extremo para não se ferir ou se magoar e isso não quero…e a palavra NÃO aqui me soa como sinos…

Lembre-se que a vida é uma só e dizer sim quando precisamos e dizer não quando temos que dizer é sem nenhuma dúvida um processo LIBERTADOR.

Então a minha sugestão é que NÃO faça aquilo que não te fará feliz e que SIM, viva uma vida limpa, linda, incrível e libertadora todos os dias!

Share

De quem é a CULPA? – 118/365

Dicas Terapêuticas

Ontem caminhei pela manhã cerca de 1 hora num ritmo muito acelerado e voltei num ritmo menor. Isso fez-me chegar exausto no hotel onde estou. Passei no mercado, comprei um fardo de água e quando tendo abrir a porta do quarto, a chave magnética não funcionava.

Bom, vi que no fundo do corredor tinha uma camareira e pedi a ela para abrir a porta. A mesma recusou e disse que eu deveria ir à recepção porque… Nem ouvi o porquê e virei as costas já chateado e fui com aquele peso todo. Ao chegar lá e para a minha alegria, a recepção estava cheia. Acredite que naquele instante eu só pensei : “DEFINITIVAMENTE hoje não é o meu dia”, pousei a água e fui mexer no celular. Logo abrir a minha live de domingo e aquela cena entrou na minha mente em segundos….

Tomei uma respiração e imediatamente mudei o meu humor, até ri na fila (Juro) e comecei a pensar…. De quem é a culpa? Eu caminhei porque quis e foi ótimo fazer aquilo, a recepção já tinha me orientado que a chave não poderia estar perto do celular e ficou no mesmo bolso, a camareira só estava fazendo o seu papel e porque eu estava permitindo ser dominado por uma sensação tão estúpida!

Ainda tinha tempo para o meu compromisso, podia tomar um belo banho, me arrumar e ir com tranquilidade, pois a palestra que eu iria assistir, começaria apenas 4 horas depois, então porque eu estava construindo tudo aquilo dentro de mim?

Ok! Resolvi a questão da chave e voltei melhor, fui para o banho e quando liguei o chuveiro, percebi que não tinha toalhas! Rsrsrsrs…. A camareira, arrumou o meu quarto e esqueceu de deixar as toalhas como fazia todos os dias e naquele momento o que eu senti? Se pensou (raiva), se enganou! Senti que tinha ali uma oportunidade para pedir desculpas e fui atrás dela, pedi toalhas e aproveitei para pedir desculpas e dei a chance dela explicar “ou” terminar a sua explicação. Me despedi levando na minha mente o sorriso dela e a sensação de alívio de ambas as partes.

O dia foi incrível! Teve os seus pontos baixos e os seus pontos altos, porém penso que foi MESMO sensacional a oportunidade de me tornar consciente naquele momento e espero que releia por favor esta frase: “A oportunidade de me tornar consciente naquele momento”. Isso realmente é um presente do Universo, pois quantas cenas passamos e não nos tornamos conscientes? Quantas vezes uma palavra ou a ausência de uma palavra, não constrói um cenário perturbador em nossa vida, ehh?

Não sou nenhum santo e penso que estou consciente em todas as minhas atitudes, mas quanto mais fico, mais percebo o quanto isso me ajuda a compreender certas sensações. Talvez você entenda exatamente o que estou dizendo e talvez esteja nesta fase e já começa a compreender. O facto é que a cada dia me sinto melhor por perceber que algumas coisas dentro de mim estão mudando e aos poucos vou transformando a minha vida e das demais pessoas.

Espero de coração que você também enxergue este processo e comece a cada dia a ficar mais consciente.

Share

21 DIAS PARA TRANSFORMAR

A Maioria das pessoas leva anos para tomar uma decisão que pode transformar definitivamente as suas vidas, mas são naqueles minutos onde elas tomam a decisão que elas criam a chave que abrirá todas as portas que antes estavam fechadas.

Usei durante muitos anos, em meu consultório, a PNL e sempre tive muito sucesso com esta e outras ferramentas terapêuticas breves. Omais curioso é que fui percebendo que a maioria das pessoas que ali estavam não transformavam a sua vida porque, apesar de estarem trabalhando nisso há anos,a transformação só acontecia quandoelas se permitam e, por algum motivo, naquele momento abandonavam as velhas crenças ultrapassadas e mergulhavam em um processo único que as levava a um resultado diferente.

saia-do-automaticoViver no automático, fazer as mesmas coisas todos os dias, criar um padrão repetitivo, permanecer na zona de conforto sem nenhuma dúvida é algo que a maioria de nós faz e nem percebe. Os dias vão passando e, entre uma reclamação e outra, vamos cada vez mais repetindo comportamentos, aceitando imposições e anos e anos se passam bem diante de nossos olhos, pois viver dentro da estratégia de outras pessoas é bem mais fácil que desenvolver a própria estratégia e transformar.

Desenhar o Programa Terapêutico “21 dias para Transformar” foi diferente de tudo que construí, pois fiz questão de ser minucioso com cada peça deste programa levando ele a um patamar tão perfeito que todas as pessoas podem utilizá-lo e construir seguramente seu processo de transformação pessoal.

Escrevi e reescrevi, passo a passo, o programa com o foco de que todos os participantes terão em mãos uma ferramenta terapêutica única, capaz de identificar onde estão neste momento da vida, onde desejam estar e como sair de um ponto e ir ao outro utilizando uma estratégia que ajude o usuário a se manter no processo e motivado, construindo sua vida em sua melhor versão.

Tive o cuidado de construir duas versões para este programa terapêutico. Em uma dessas versões o participante faz treinamento presencial de 14 horas (8:00h às 23:00H) e depois tem acesso a uma plataforma exclusiva onde irá dar continuidade ao programa em três fases de 7 dias (totalizando os 21 dias), com auxílio diário de vídeo-aulas, áudios terapêuticos e o passo a passo em PDF com exercícios, gráficos e Planeamentos Guiados.

Na versão 100% online (para pessoas que não conseguem vir presencialmente), o programa se inicia com 16 vídeos de aproximadamente 50 minutos com três exercícios importantes e, depois de concluídos, o usuário tem acesso ao programa em três fases de 7 dias(totalizando os 21 dias), com auxílio diário de vídeo-aulas, áudios terapêuticos e o passo a passo em PDF com exercícios, gráficos e Planeamentos Guiados.

Acredito mesmo que toda a minha história de vida, meus medos, traumas, os problemas que criei no meu passado e cada obstáculo que superei, agregado a experiência de 16 anos em consultório, me possibilitaram desenvolver um programa terapêutico incrível, capaz de transformar a vida de qualquer pessoa que siga fielmente os passos aqui expostos.

magia-da-transformacao
Não vejo os 21 dias para Transformar como uma fórmula milagrosa que basta ler e algo mágico acontece, o conto de fadas inicia e todos seremos felizes para sempre. Muito pelo contrário! Acredito
que quando começamos a seguir o programa, o conto de fadas desaparece e saímos imediatamente do automático da vida, despertamos a nossa consciência, saímos do transe, acordamos verdadeiramente para um lindo e belo mundo…

Um lugar que não tem espaço para reclamações, comparações, medos construídos, linhas invisíveis que limitam onde podemos ir, estratégias feitas para baixarmos a cabeça e seguirmos…

O Programa Terapêutico está desenhado para pessoas que desejam mesmo ter uma vida plena, feliz, próspera, rica, harmoniosa, equilibrada e feliz… Gosto de pensar que à medida que vamos mergulhando no processo, conseguimos enxergar melhor o resultado desejado e a cada fase vamos construindo um pouco mais de segurança, alimentando a nossa mente com pensamentos positivos, com ideias genuínas e tudo isso vai fortalecendo o nosso corpo e nossa alma vai se abrindo para o novo e, o que antes era chamado de desconhecido, começa a ser chamado de estar presente, de ser, de sentir e vamo-nos tornando muito mais que um título, um cargo, uma referência, um número de identificação.

Dentro deste programa encontramos liberdade.

Não significa viver uma vida completamente diferente, mas viver a mesma vida de maneira completamente diferente, obtendo resultados reais e positivos, colecionando vitórias genuínas, momentos especiais, memórias que valem mesmo a pena serem lembradas e contadas aos nossos filhos e netos.

Já dentro do programa 21 dias para transformar, os participantes irão receber uma chave que dará acesso ilimitado ao sistema 5. Trata-se de um sistema criado para alimentar o Programa, fortalecer em 5 importantes etapas todo o processo para que os usuários realmente se mantenham motivados e focados.

sistema5

O Sistema 5 é um portal exclusivo para os participantes do Programa 21 dias e ali podem assistir a vídeos, entrevistas, baixar estratégias, planeamentos, exercícios, mapas direcionais em PDF, ouvir áudios terapêuticos e acompanhar o Programa semanal em áudio “Em 21 minutos Tudo pode Mudar”. Além disso, no sistema 5 teremos fóruns, artigos e espaço para os participantes colocarem seus depoimentos sobre seus resultados utilizando o programa 21 dias.

Estamos na fase final e no mês de Setembro lançaremos oficialmente o Programa 21 Dias para Transformar – Sistema 5 e o primeiro treinamento oficial já está agendado para Novembro na Ilha da Madeira e em Lisboa.

Continue acompanhando minhas notas e artigos e, se quiser receber em primeira mão o lançamento do Programa Terapêutico 21 dias para Transformar, deixe seu comentário abaixo com seu nome, profissão e e-mail.

Até daqui a pouco!

Abraços de Luz para Todos e obrigado pelo vosso carinho.

 

assinatura

Share