Posts

O Poder de um Diário – 222/365

Quando falamos em diário, logo lembramos daqueles adolescentes escrevendo suas aventuras e historinhas de amor, não? Eu lembro que eu era assim.… rsss! Sem muitas historinhas de amor, mas adorava escrever poemas, frases motivacionais e meus planos de como seria um milionário! (rindo alto).

Divertido ou não, a ideia do “diário” que quero trazer aqui é bem diferente de quando éramos adolescentes, ok? A ideia é ter um diário para escrever o que fazemos no nosso dia a dia e podermos semanalmente analisar como foi a nossa semana, os nossos pontos altos, os baixos, o que fizemos para melhorar os baixos, para fortalecer os altos e até o aprendizado que tivemos.

Em um seminário na Madeira propunha eu o uso de um diário para os alunos e uma mulher criticou, dizendo que perder tempo escrevendo e depois ainda lendo seria desperdiçar muito tempo e ela não o faria. Eu ouvi-a atentamente e respeito a visão dela, porém se analisar o diário não nos rouba tempo, ele nos ensina a errar menos, eles nos ajuda a compreender melhor o que fazemos e o que deixamos de fazer (se) realmente fizermos de maneira correta.

Eu já fiz dezenas de diários e em todos eles eu escrevo como foi o meu dia, elejo os meus pontos altos e baixos e gosto muito de finalizar com uma palavra que define o meu dia e normalmente ainda acrescento uma lição que ensinei e uma que aprendi. O tempo que fiz isso foi tão importante que me ajudou a ajustar a minha rota inúmeras vezes pelo caminho.

Talvez pareça “exagerado” eu dizer isso, mas escrever em um diário foi mesmo libertador e ele muitas vezes salvou a minha vida, pois graças às minhas palavras ali eu consegui perceber onde estava insistindo e não deveria insistir e sim aprender com o facto, bem como para onde eu realmente deveria direcionar o meu foco e aprender.

Garanto que escrever e ler depois com frequência é uma experiência mesmo empolgante e no começo pode até parecer chatinho, mas garanto que com o tempo este diário se tornará o seu principal amigo e verá que suas “santas” anotações poderão aos poucos lhe guiar para um caminho melhor, com mais acertos e menos erros.

Então o que está esperando?
Comece logo o seu diário e faça ele ser mesmo um super lugar onde pode confidenciar seus pensamentos, estratégias, frustrações e tudo aquilo que faz sentido para que possa analisar, ajustar e melhorar.

Simples assim!

Share

Saúde física e mental – 221/365

Hoje após a minha caminhada, deitei no tapete da minha sala e iniciei o meu exercício de respiração (recomendação médica), para fortalecer meus pulmões após o que aconteceu! Claro que no hospital eu tinha a ajuda de uma fisioterapeuta e aqui em casa os mantras foram meus companheiros. Enquanto respirava lentamente, o meu pensamento se concentrava apenas em uma coisa: “Preciso cuidar da minha saúde física e mental” e uma pergunta que ecoava dentro de mim era: “Porque nunca cuidei?”

Interessante é que ao longo do dia pensei sobre isso e a conclusão que eu cheguei é que eu (achava) que cuidava. Eu falo tanto em entrar no automático da vida que neste setor entrei e nem percebi! Não me dei conta que acreditava que estava cuidando da minha saúde, mas na verdade o que eu fazia era alguma coisinha aqui ou ali para justificar que estava cuidando e nesta dica vou explorar estes meus pontos fracos para juntos refletirmos.

Às vezes comia de forma saudável, às vezes não e na minha opinião isso é como tomar o antídoto 2 vezes e tomar o veneno 8 e sem perceber acreditava que a minha vida estava mesmo equilibrada, enquanto isso aumentei alguns kilos e fui deixando passar sem mesmo tomar consciência que eu estava abandonando algumas coisas em minha vida. Ok, quando falamos assim parece simples e basta corrigir o percurso, mas às vezes é um pouco mais complexo que isso, pois esta “rotina” já tinha virado hábito na minha vida, então decidi no dia em que deixei o hospital transformar verdadeiramente a minha vida.

Por ser Hipnoterapeuta e Coach e diariamente falar em soluções e ajudar pessoas, acredito que uma parte minha acreditava que eu vivia esta (realidade) na minha vida e muitas vezes fui “enganado” pela mente acreditando que tinha esta mesma qualidade que eu vendo para as pessoas e quando cito “enganado pela mente”, não estou querendo ser vítima de nenhum processo, ok? Estou apenas dizendo que me deixei levar pelo que faço e não percebi que meus olhos estavam tão direcionados para o (outro) mais do que pra mim.
Eu acreditava que estava cuidando da minha saúde física e mental, mas estava cuidando dia sim e outros 8 não e depois 3 dias sim e outros 12 não, compreende? E esta reflexão hoje abriu mais ainda os meus olhos no que diz respeito a cuidar de mim e espero que o ajude a pensar se está realmente cuidando de si ou apenas dias sim e outros tantos não, pois às vezes achamos justificativas por muitas coisas que acontecem no dia a dia e adiamos o que deveria ser sempre prioridade.

Pense em sua vida como um carro! Sabemos que quando temos um e cuidamos como deve ser, colocamos o melhor combustível, fazemos revisão e nos preocupamos com a manutenção a chance de durar por anos é maior do que se não cuidarmos e deixarmos ele por conta da vida, né?

Neste momento me encontro no centro da minha vida! Sinto que estou no meu melhor momento e sem nenhuma dúvida sinto que com 41 anos estou no auge do meu amadurecimento. Sei que alguns passam uma vida sem sentirem isso e outros sentem com metade da minha idade e não sei qual a sua idade, mas o facto é que se está despertando para este processo neste segundo é porque é a hora certa e está tudo certo (desde) que não apenas pense, mas realmente mergulhe nele.

Estou conscientemente criando novos hábitos e de hoje em diante quero que eles sejam a minha vida, que eles sejam o meu dia a dia, que sejam mesmo o meu melhor! Sem nenhuma dúvida ainda estou me recuperando e não posso fazer grandes coisas, mas posso continuar fazendo e aos poucos vou trazer para o meu dia a dia o que existe melhor em qualidade de vida. Eu iniciei pela alimentação, pelos exercícios mais constantes de respiração e por voltar a fazer meditação diariamente, logo expandirei para as caminhadas mais longas e até pretendo voltar para o ginásio.

Ontem finalizei um livro, hoje iniciarei outro e assim vou acrescentar saúde à minha vida e não sei o que pode contribuir para a sua vida, mas sugiro que pense com muito carinho em como pode alimentar a sua máquina! Em como pode fazer acontecer a sua vida, em como pode alimentar o seu corpo e a sua mente e acredite que vale a pena cada segundo desta mudança de hábitos.

Eu inicie pela dor, por ter sido internado e ter passado por uma situação tão ruim, mas acredito que você pode fazer por amor, pode tomar consciência agora, sem ter que sentir na pele nenhuma dor.

Afinal a vida é feita de escolhas, né? O tempo todo escolhas!
Pense bem, com calma e faça as suas!

Share

Ter um filho, escrever um livro e plantar uma árvore – 220/365

Se acompanha a minha página, sabe que passei os últimos 4 dias internado por um problema no pulmão direito e como um amante da (mente humana), acredito que o meu inconsciente queria que eu descansasse um pouco e pudesse fazer uma reflexão mais profunda sobre a minha vida e sou mesmo grato a isso.

No momento em que o procedimento cirúrgico se iniciou, confesso que me sentia um pouco assustado, afinal nunca levei um ponto sequer durante toda a minha vida e naqueles segundos antes de iniciar pensava apenas na minha esposa e nos momentos maravilhosos que vivemos dias antes de tudo isso acontecer, depois pensei nos meus filhos e quando percebi tudo estava já bem.

No minuto que terminou, a dor que senti foi realmente absurda e a dificuldade em respirar colaborou para uma sensação muito desagradável que durou 1 hora e alguma coisa penso eu. Já no quarto repousando, comecei a pensar no que exatamente viemos todos aqui a fazer, né? Uma vez ouvi um palestrante dizer da importância de termos um filho, escrevermos um livro e plantarmos uma árvore.

Eu tenho 7 filhos (Maravilhosos), escrevi 3 livros e estou trabalhando no quarto já e ainda não plantei nenhuma árvore, mas vou buscar ajuda para o fazer, mas a vida não pode mesmo se resumir a isso apenas, né? Temos tanta força, tantas oportunidades que gosto de acreditar que podemos fazer mais e muito mais por este mundo em que habitamos e estes 4 dias de reflexão me ajudaram imenso a ir mais fundo naquilo em que já acredito e sou grato pelo que aconteceu, acredito que aconteceu na hora certa.

Às vezes vamos vivendo a vida, defendendo os nossos ideais, fazendo as nossas reflexões, mas quando nos acontece algo desta dimensão mais profunda, com absoluta certeza descobrimos o que é realmente “uma reflexão profunda” e posso garantir que a minha foi mesmo profunda e me sinto um sortudo! Um super sortudo! Primeiro por ouvir a minha intuição, o meu corpo e procurar um médico na hora certa, depois por aproveitar esta oportunidade para fazer este mergulho e mais ainda por ter a oportunidade de compartilhar contigo tudo isso.

E você? Já pensou alguma vez em fazer uma destas profundas reflexões? Já pensou em ouvir mais o seu “inconsciente”? não precisa ir parar em um hospital para fazer isso, né? Eu acredito que quando não fazemos isso espontaneamente, o inconsciente arruma maneira de o fazer! Então pode escolher se será por amor ou pela dor.

Eu não canso de falar que vivemos “distraídos” e que a própria vida nos distrai, então preste um pouco mais de atenção em você, em seus pensamentos, em suas ações e busque sempre o equilíbrio! É muito importante este equilíbrio.

Desejo que você tenha um filho, escreva um livro e plante uma árvore, mas desejo que além disso você acorde deste transe imposto pelo “mundo veloz” e mantenha-se acordado sendo feliz na maior parte das vezes.

Eu vou ficar por aqui me recuperando, fazendo as minhas meditações e lendo os meus livros.

Até amanhã.

 

Share

Lembranças que fazem bem – 219/365

Eu tenho um hábito de acordar, sentar na cama, colocar meus fones de ouvidos, ouvir um mantra e meditar, depois banho e vou tomar um belo café. Normalmente tomo um café lendo meus emails ou vendo as mensagens e hoje peguei a minha xícara e fui para a janela da cozinha, abri a janela e observava os prédios quando senti um cheiro no ar e no mesmo instante as minhas memórias de infância foram ativadas e senti fortemente a sensação de quando íamos almoçar na casa da minha avó!

E não foi nenhum cheiro de comida que me despertou tal sensação, mas o cheiro mesmo do ar que me trouxe a lembrança de São Paulo, do caminho da nossa casa à casa dela, lembrei que sempre que íamos lá a minha mãe ia pelo caminho nos orientando que deveríamos nos comportar e comer direito, dando tantos outros “comandos” que nem me lembro mais.

O fato é que às vezes sabe muito bem lembrarmos de algumas coisas do passado, da infância e fazia tempo que não tinha lembranças tão claras e tão incríveis como estas que tive. Terminei o meu café e cá estou eu escrevendo para você, para falar sobre âncoras e como lembranças como esta podem nos ajudar a melhorar a nossa qualidade de vida e os nossos pensamentos.

Às vezes em consultório me deparo com pessoas stressadas que afirmam que nada sua vida dá certo ou que são azaradas e até que jamais vão ser felizes e quando lhes pergunto sobre cenas da infância ou do passado, a maioria delas se lembra de um fato aqui e outro ali, algumas se entusiasma e ri me contando como (era) bom aquela fase e logo paro tudo e perguntou: “Então, nunca foi mesmo feliz?”

Eu parto da ideia que se conseguimos ultrapassar um desafio uma vez temos dentro de nós a memória, a experiência de como fizemos e a certeza que conseguimos e isso pode ser repetido, então se alguém diz que não consegue vencer tal desafio, buscar na memória delas todos os desafios que ela (já) ultrapassou podem servir como âncora para ela lembrar que este é apenas mais um e não algo desconhecido, compreende?

Esquecemos que fomos inúmeras vezes felizes e “às vezes” nos sentimos em baixo por um período e parece o fim do mundo, porém se buscarmos estas imagens, os sons, as sensações superarmos mais rápido seja qual foi a situação atual.

Me lembrar que estava indo para a casa da minha avó almoçar me trouxe uma sensação boa, uma sensação de família, de outras pessoas reunidas, de pessoas ajudando, somando, falando e isso é mesmo interessante, pois acredito que poderei usufruir desta sensação, deste cheiro por dias e isso me deixa realmente muito, muito feliz.

Então sinceramente se em algum momento se pegar pensativo, dentro de um processo que parece complexo e sem saída, por favor não tenha medo! Não se desespere, não permita que a sua paz seja abalada. Apenas procure sair por alguns instantes do cenário (atual) e lembre-se que um dia você já viveu cenas que (pareciam) complexas, mas conseguiu superar, conseguiu vencer.

Não conseguimos (resolver) uma questão vivendo na emoção que ela nos traz, muitas vezes precisamos de uma emoção diferente para que as ideias se tornem mais claras, para que se tornem melhores e com certeza buscar lembranças de momentos agradáveis ajudam a melhorar a sensação do seu corpo e ali naquele estado bom a solução ganha mais poder, ganha mais clareza.

Tenha boas lembranças!

Share

Meditar me faz compreender – 218/365

Hoje tive uma cena brutal durante a minha meditação!

Não sei se você medita, se já experimentou fazer isso por um longo tempo, mas quanto mais experimento, mais compreendo que o meu silêncio interno é algo sagrado e importante em minha vida e a cada momento destes percebo como é importante desacelerar e jogar fora um pouco daquilo que absorvo de tempo em tempo.

Normalmente faço 10 minutos de meditação diária e às vezes até mais e hoje logo no início quando começava a minha respiração, quando eu buscava a melhor posição para estar, me veio um pensamento tão suave, que parecia que alguém tinha sussurrado ao meu ouvido e em instantes senti meu corpo leve, tão leve que me desliguei por completo.

A questão aqui é que já sugeri a muitas pessoas que elas meditassem e a maioria diz que não tem paciência, algumas que experimentaram e nada aconteceu e quando perguntou quantas vezes meditaram, elas dizem um vez ou uma semana e hoje acredito muito em programas longos e consistentes e a meditação (na minha opinião) é algo que não se extrai de imediato o resultado, ele vai acontecendo, os benefícios vão se espalhando pelo corpo, vão ganhando forma e ao logo dos dias é que conseguimos perceber certas mudanças de comportamentos. Durante o meu dia de hoje percebi como é bom estar comigo e apenas comigo em alguns momentos.

Meditar me faz compreender algumas coisas e acredito que fará você compreender também. E você pergunta: “e compreender o quê Eric?” Compreender como a vida é boa, como somos seres especiais e privilegiados, como temos à nossa disposição tantas recursos internos, como somos únicos e como é rico, riquíssimo vivermos as nossas experiências.

Se pesquisar vai encontrar na internet milhares de vídeos e textos sobre como meditar e tenho certeza que se quiser realmente tem à sua disposição muita, muita informação. Eu no início abaixei um app, vi vídeos e depois de compreender vários conceitos e ideias descobri que tudo (pra mim), se resume em estar presente em deixar-se ir, sem manipular nada, sem programar nada, sem querer que aconteça absolutamente nada.

É muito o encontro do nada com o tudo. Me sinto super bem, me sinto super presente, me sinto muito desconectado com o meu dia a dia e muito conectado com a minha parte sábia, com o universo com toda esta energia que cada um dá um nome, mas eu prefiro chamar de Deus.

Se sentir vontade de se conectar, de estar consigo, de melhorar os seus hábitos eu super recomendo que você comece com 5 minutos diários e vá aumentando (se) achar necessário e abandone a ideia de como fazer isso perfeitamente e apenas encontre uma posição confortável e relaxe, deixe que os pensamentos se esvaziem e se não se esvaziarem hoje será amanhã ou daqui um mês, mas por favor não desista de você, não desista de fazer acontecer.

É isso! 5 minutos para você… Acho que você merece isso, né? E lembre-se de ter disciplina, pois nada acontece sem disciplina.

 

Share

Desculpa, eu não respondo mensagens na hora. – 215/365

Esta semana recebi duas mensagens me “cobrando” uma resposta de uma mensagem e senti que seria excelente trazer este assunto para uma dica terapêutica. Então a dica de hoje será sobre responder mensagens e sobre o senso de urgência e imediatismo que estamos vivendo atualmente.

Eu tenho uma vida realmente agitada, pois quando não estou com a agenda cheia em consultório, tenho sessões de Coaching por Skype ou estou mergulhado escrevendo e tenho muitas pessoas que me escrevem querendo e até aí está tudo certo, o (problema) é que algumas delas pensam que estou à disposição para responder no micro segundo que elas escreveram e isso na minha opinião dá-se principalmente pelo facto de estar vivendo um momento de imediatismo, de ter que ser agora, precisa acontecer em 10 segundos e quando não acontece, algumas pessoas entram em desespero.

Eu sempre respondo às minhas mensagens, mas nem sempre estou na olhando para a tela do meu celular quando elas chegam e às vezes estou focado vivendo a minha vida (risos), mas parece que tem pessoas que vivem uma vida apenas online e sei bem como é isso, pois já passei muito mais tempo online do que passo hoje.

Porém, a mensagem que quero transmitir aqui hoje não é apenas se respondo na hora ou não às minhas mensagens, mas porque estamos vivendo cada vez mais com pressa? Preste atenção por favor nesta dica e procure levá-la para o seu cotidiano e depois responda pra si se está vivendo uma vida normal ou se está contaminado pela urgência imposta pela maioria.

Por atender muitas pessoas com questões diferentes com certeza eu acabo tendo muito material para analisar e isso enriquece imenso o meu aprendizado, muitas vezes me deparo com pessoas narrando suas vidas e juro que digo a elas que me sinto cansado “só” de ouvir como elas se esforçam para serem super-heróis e cumprirem 200 mil tarefas em 24h.

Curioso é que algumas delas não conseguem cumprir nem 2 das 200 e não percebem que estão vivendo em um automático perigoso que logo irão levá-las a um esgotamento mental e outras acreditam que perderam muito tempo e precisam recuperar e acabam acumulando tarefas com a (falsa) ilusão de que possuem super poderes motivacionais.

Compreendo que hoje temos um número gigante de informações à nossa disposição e compreendo que as redes sociais hoje trazem muitas opções de vidas para vermos e seguirmos e existem muitos “super-heróis” do desenvolvimento pessoal voando alto e fazendo um milhão de coisas, postando e trazendo vídeos, nos enchendo de lindas e deliciosas opções, porém eles descansam também, eles possuem vida em família, eles passam dias de férias e às vezes tudo o que você vê é focooo! Focoooo! Vamos láaaa! Focoooo de novo e vamos fazer acontecer!!!!! Focoooo e este oba oba nos estimula e muito, mas sem medo de errar nesta minha observação, a vida não é assim 100%.

Pense comigo! Você que me acompanha, que lê as minhas dicas que me segue com mais frequência ou que começou hoje – A impressão que o mundo transmite é que tudo é possível e temos que nos apressar pois o mundo não pára de girar e concordo que tudo é possível (simsim) eu concordo, mas que temos que ser mais rápidos e correr ao invés de andarmos não mesmo!

O mais importante não é a velocidade, mas a direção e quando entramos nesta corrente viciosa de fazer e fazer e chegar em primeiro lugar, corremos o risco de olhar tão lá na frente, tão lá na linha de chegada que podemos deixar passar os “momentos”, a soma das ações, compreende? O que adianta chegar lá (resultado) se durante o caminho (Meta), você não se lembra do que vivenciou? Rsss!

Quando faço o processo de Coaching com alguém adoro trabalhar o seu ponto A (Estado atual) e o seu ponto B (Estado desejado) e gosto imenso de construir o ponto B dele, porém (EU) insisto muito que ele preste atenção no “p.r.o.c.e.s.s.o” pois na minha opinião é ali que acontece a magia! Durante o caminho, enquanto estamos fazendo, construindo, planejando, ajustando, é bem ali que está o melhor! Se não prestarmos atenção nisso não vamos poder nos tornar muito bons em ganhar troféus e acumulá-los, mas esqueceremos a história que cada um possui.

Então nós (eu e você) podemos responder às mensagens depois, podemos ler os comentários das nossas postagens nas redes sociais mais tarde, podemos fazer com calma “E” mesmo que o outro esteja fazendo mil vezes mais veloz, podemos seguir o nosso ritmo, ir à nossa maneira e fazer acontecer sem entrar em um circuito de exageros e complicações.

Cuide de sua saúde física sim e lembre-se que pode cuidar da mental também.

Espero ter somado e se foi uma boa dica para você, com calma e sem pressa deixe aqui o seu comentário!
Adoro ler os comentários e opiniões de quem me segue.

Share

Insista e não desista. – 214/365

Esta semana um amigo me disse que anunciou por 30 dias uma palestra no Funchal e teve que cancelar, pois, se inscreveram apenas 4 pessoas. Ele ficou muito triste e já não iria mais apostar no Funchal e eu, como um bom curioso, perguntei porque ele desistiu na primeira investida e sua resposta foi espantosa: “Porque ficou claro que ninguém quer assistir às minhas palestras por lá!”

Vou voltar no tempo um pouquinho só!

Eu cheguei no Funchal em 2015 e lembro que a minha primeira palestra no Hotel Meliã tinha menos de 80 pessoas e quando subi naquele palco pela primeira vez, eu dei o meu melhor, falei, gritei, vibrei e arranquei aplausos das pessoas, porém sempre olhava para aquelas pessoas e imaginava que um dia multiplicaríamos, triplicaríamos aquele número e não teria vaga para me assistir. Em menos de 1 ano já colocávamos 500 pessoas ali dentro, sendo que algumas ficavam em pé.

Desistir nunca foi a nossa opção e sinceramente acima de tudo tinha uma equipa determinada, cheia de vontade de fazer acontecer e isso contou muito e me ajudou a conquistar aquele público, mas ele por ter apenas algumas pessoas nem pensou em mudar a sua estratégia ou se aliar a alguém local, ele simplesmente desistiu.

Não sei se ultimamente tem desistido de alguma coisa e sinceramente nem me importa a história que vai me contar para justificar a sua desistência! O que me importa realmente é convencê-lo de que a única maneira de se alcançar alguma coisa é insistindo, é continuar fazendo, é realmente manter-se no jogo.

Pode ser que este jogo precise ao longo do campeonato de estratégias novas, jogadores que o ajudem e até de uma injeção de motivação, mas vale aqui lembrar que o campeonato só pode ser ganho se houver pessoas insistindo para que tudo aconteça. A minha experiência diz que o dono do jogo, precisa se manter na liderança sempre, ou seja, ele precisa acreditar!

Insista de maneiras diferentes, mas insista, pois quando desiste está voltando no processo e precisa recomeçar tudo de novo e ficar recomeçando também cansa um pouco, né? Pensa um pouco sobre isso e quando estiver diante de uma situação que pareça difícil, saia de cena, respire um pouco, pense melhor, busque ajuda, (pause) tudo por alguns dias se for necessário, porém volte para o jogo com força total e aprenda a enxergar um pouco mais lá na frente.

Às vezes desistimos pelo imediatismo, pelo medo de dar errado, por acreditarmos que estamos diante de algo maior que nós, mas sinceramente, quando isso acontecer, pense no que realmente fez você começar tudo isso. Qual foi a (Força) que te motivou? Busque aí dentro, se fortaleça e faça acontecer!

Aproveite melhor as oportunidades que tem.

Share

Sem terno, sem gravata e no meu MELHOR. – 210/365

Hoje acordei com a intenção de escrever sobre “O Poder da Intenção”, porém fui ler meus e-mails enquanto tomava café e me deparei com um curioso e interessante e-mails que me motivou a mudar o tema e vou compartilhar apenas a frase motivadora, ok?

“Srº Eric Pereira, acredito que se quiser ter sucesso no nosso país deveria usar terno e gravata sempre, pois as pessoas compram uma boa imagem”

Apesar dos e-mail ser maior que isso, vamo-nos concentrar apenas nesta opinião poderosa que este sujeito acha importante. Começo por dizer que respeito a sua opinião ao dizer que um bom terno e uma linda gravata podem realmente ajudar imensamente para transmitir uma melhor imagem para as pessoas e sem nenhuma dúvida (VENDE) a ideia de alguém poderoso.

Talvez o que este leitor (ou admirador ou seguidor), não sabe é que não estou nem um pouco interessado em vender para ele e nem para ninguém uma imagem que não tenho! Passei anos da minha vida a andar de terno e gravata e fiz centenas de palestras assim e hoje me satisfaço com as minhas t-shirt`s pretas ou as minhas polos da mesma cor.

Sinto-me realmente muito bem usando preto, simples, básico e sem nenhum requinte. Fácil, não perco nenhum tempo escolhendo roupas e nem perco (nenhum) tempo fazendo combinações e o mais importante de tudo isso – (EU) Eric Pereira – me sinto bem assim. Concordo que nem sempre parecerei elegante ou chic e nem ganharei comentários do tipo, “Uauuu, ele arrasou com este figurino” (rindo alto), mas não estou em busca destes comentários também.

Eu prefiro os que dizem “Me ajudou imenso” , “sou grato por sua dica” , “aprendi” ou “isso me fez pensar” e a maioria dos comentários como este não estão publicados em baixo das minhas dicas e nem são enviados para as revistas que eu escrevo, mas são enviados pra mim por e-mails ou mensagem privada. Fico feliz quando leio cada um deles e “às vezes” demoro para responder, mas gosto e respondo cada um deles.

Confesso que acho elegante homens que gostam de um bom terno e às vezes uso um em ocasiões especiais e está tudo certo, porém sem terno e sem gravata, vivo o meu melhor e garanto que os resultados que possuo hoje em consultório não vão melhorar devido ao traje que utilizarei naquele dia. O que faz a diferença no que faço é como (eu) faço e isso é independente da minha roupa.

Às vezes tenho uma sensação que o conforto que tenho usando roupas que eu gosto me ajudam imensamente, pois estou confortável aqui neste momento escrevendo esta dica e estarei o dia todo confortável atendendo os meus clientes e assim sou eu!

Quero sempre ajudá-lo a melhorar a sua vida e vou aproveitar este email para dizer que você também precisa se sentir bem com a roupa que usa e claro que não devemos ser descuidados, deixar a barba gigante e mal cuidada, não fazer as unhas e nem usar qualquer roupa suja… Obvio que não! Mas podemos ser nós mesmo em nossa melhor versão. Tem mulheres que se sentem muito bem usando calça jeans e não gostam de usar saias e devem usar apenas para parecerem mais femininas? Claro que não, né! Elas devem sentir-se confortáveis e este nosso aprendizado aqui não precisa ficar apenas na roupa que usamos, podemos elevá-lo para outros patamares, pois algumas pessoas fazem coisas que nunca gostam de fazer porque sentem a necessidade de agradar outras pessoas e isso é realmente o absurdo do absurdo.

Comece a olhar para dentro de si e a perceber que não adianta em nada fazer por fazer, fazer para que as outras pessoas (comprem) a sua ideia, porque no fundo, no fundo o que importante verdadeiramente é o seu estado emocional. Imagina que eu usasse todos os dias terno e gravata para transmitir uma ideia mais credível. Poderia agradar muitas pessoas e quem sabe teria mais clientes (Apesar de ter a agenda lotada até final de novembro), porém mesmo que fizesse isso todos os dias com absoluta certeza sentiria um peso por fazer o que não desejo fazer e aí? Como lidaria com isso?

Por favor, né?! Tenho consciência de que nem tudo pode ser transformado com o estalar de dedos, mas pra mim o momento X da transformação não acontece no andamento e sim na decisão. Pode não estar satisfeito com o trabalho que possui e está tudo certo, mas quando decidir verdadeiramente isso e que precisa mudar de trabalho, naquele (micro segundo) que decidiu mudar, a magia começa a acontecer e aí vem o planejamento, as ideias, a estratégia certa e pode talvez demorar 1 ano ou 3 para mudar, mas o importante é que o botão do start foi apertado, que a decisão foi tomada, que o processo se iniciou, compreende?

Tenha atenção ao que as pessoas vão (impondo) para você ao longo da sua vida e fique mesmo atento, pois algumas coisas são claras e são MESMO ditas olho no olho, outras são embutidas na sua mente naquele momento de dúvida, naquele dia de choro, naquele momento em que tudo o que precisava era de um abraço amigo e junto vieram opiniões e ideias que apenas o ajudaram a construir padrões que não são seus e jamais serão.

Viva a sua vida com responsabilidade (é claro), mas livre de tudo! Por favor, livre-se mesmo de tudo que lhe faz mal ou aprisiona

Share

Jogar comida fora é gozar de quem passa fome 207/365

Hoje eu estava no Metro vindo para o consultório e pensando que estava na hora de voltar a escrever as minhas dicas terapêuticas como fazia antes (diariamente) e lembrei de algo que aconteceu há pouco tempo que mexeu muito comigo e quero dividir com você. Acredito que se ler até o final perceberá quão rica pode ser esta dica para a sua vida.

Fui pegar um táxi na saída do shopping e, além de ter em mãos as compras, tinha um estendal de alumínio e quando pedi ao taxista para abrir a mala atrás ele disse que não cabia ali e ok, fui colocar no banco de trás e ele super estúpido, gritou que não podia levar e mandou-me para o carro de trás. O taxista do carro de trás também não deixou e me ignorou (me deixou falando sozinho). Me aproximei do terceiro, perguntando se cabia no táxi dele. O motorista era um Angolano, que estava vestido de social com uns suspensórios coloridos, até engraçados, e a resposta dele foi exatamente esta: “Senhor, se não couber atrás colocamos no banco sem nenhum problema. Sou é muito grato por ter a oportunidade de fazer esta corrida e ganhar mais algum dinheiro para ajudar a minha família.”

No trajeto do shopping para a minha casa fomos conversando e eu agradeci a ele por nos ter ajudado e ele começou a dizer que veio de um lugar onde ele acordava às 4h para trabalhar e mesmo assim nem todos os dias tinha o que comer e que sabe na pele o que é não ter dinheiro e passar fome e por este motivo valorizava a sua vida. Eu juro que aquilo mexeu comigo, pois até (EU) às vezes não valorizo algumas coisas. Na conversa ele contou que um dia derrubou a comida, mas pegou tudo e comeu depois. A sua esposa ficou brava e ele disse: “Jogar comida fora é gozar de quem passa fome”. Naquele segundo, os meus olhos encheram-se de lágrimas .

Escolhi falar sobre este taxista que nem sei o nome, pois foi uma experiência que me marcou, cheguei a falar com a minha esposa de como me senti mal, já que até aquele dia eu desperdiçava comida ou deixava algumas frutas se estragarem. Aquela frase entrou na minha mente como uma tatuagem e se pensar comigo às vezes não somos gratos pelo trabalho que vem, que nos alimenta, às vezes desperdiçamos comida, água, dinheiro e até tempo, que na minha opinião é uma das moedas mais raras e caras que existe.

Naquela semana fiz uma reflexão sobre várias coisas e fiquei mesmo pensando no que poderia melhorar na minha vida para não desperdiçar aquilo que eu tinha, pois valorizo muito o meu trabalho, o meu dinheiro, o meu ganha pão, mas tenho consciência de que desperdiço muitas coisas “OU” ganhei consciência com a ajuda daquele homem que em 10 minutos me deu uma verdadeira lição.

Minha pergunta aqui é: Você desperdiça algo em sua vida? Comida, água, dinheiro, tempo? Depois desse episódio atendi 4 dias no Instituto do Funchal e perguntei a alguns clientes sobre o que eles desperdiçavam e uma delas disse que nesta perspetiva ela desperdiçava apenas tempo, mas no dia seguinte recuperava. Na verdade entendi a sua visão, mas tempo não se recupera (jamais) e basta falar com alguém que está doente ou que possui uma doença terminal, que a maioria responde que gostaria de ter mais tempo, alguns até dizem que se pudessem voltar anos atrás mudariam completamente as suas vidas, se dedicariam mais à família, trabalhariam menos e se divertiriam mais.

Olhe com atenção para a sua vida! Observe com carinho as suas atitudes e perceba de verdade se desperdiça algo. Se a sua resposta for sim, procure ver como pode aproveitar melhor (aquilo) que está desperdiçando! Se for comida, quem sabe aproveite melhor os alimentos ou quem sabe faça menos. Se for água, existem centenas de maneira de utilizar melhor no banho na hora de lavar a louça e por aí vai…

Agora se for tempo, aiaiaiaia, este vai e nem percebemos! Então lembre-se que todos nós temos as mesmas 24horas em todo o mundo e algumas pessoas se organizam melhor por fazerem uma lista de prioridades e outras se perdem com tanto a fazer e nada sendo feito. Existem aqueles que acumulam tarefas, procrastinam tudo e no final não alcançam nem de perto o que realmente precisam para serem mais felizes.

Eu por exemplo escolho acordar uma hora mais cedo para dedicar 60 minutos da minha manhã a escrever e quando escrevo uma dica em 30 ou 40 minutos, aproveito para fazer frases ou outras mensagens e ir postando durante o dia ou semana. Aproveitar bem o tempo, aproveitar bem tudo nesta vida pode ser uma das chaves para sermos mais felizes e claro que esta é apenas uma dica, uma opinião e quem sabe pode ajudá-lo a transformar algo e quem sabe este algo pode ajudar a transformar todo o restante.

Enfim, mais uma dica terapêutica e espero que some em sua vida!

Já sabe, né? Pode partilhar para que os seus familiares e amigos leiam e pode também deixar o seu comentário abaixo.

Share

Decepcionado! E agora, o que faço? – 206/365

Estes dias eu me deparei com uma situação muito pessoal e verbalizei em voz alta apenas para mim, dentro do meu consultório: “Que decepção!” E imediatamente abri bem os olhos e sorri! A minha voz interna disse: “Nada disso! Não podemos nos decepcionar com alguém que só teve o poder que teve porque eu o entreguei.”

Este pensamento que logo se transformou em uma profunda reflexão me ajudou a entender algumas coisas e por isso vira agora uma dica terapêutica, especialmente para você leitor que às vezes se decepciona com alguém e fica ali com uma mágoa desnecessária, sentindo-se mal e às vezes até “contaminando” outros setores da sua vida!

Nos decepcionamos, quando colocamos em uma situação muita expectativa e este excesso quando não correspondido gera uma frustração e nos sentimos decepcionados. Eu lembro de ter uma época da minha vida em o que tudo que fazia colocava demasiada expectativa! Foi assim em um namoro, em um trabalho, em amizades e até em festinhas que organizava com amigos.

Quando corria tudo bem, me sentia um verdadeiro herói, mas quando as coisas davam errado, me sentia o pior dos vilões e algumas vezes meu único desejo era desaparecer ou ficar no quarto dormindo! Já fugia da realidade e naquela época nem sabia o que estava fazendo.

Depois disso passei anos e anos sem construir expectativas então, aprendi que não existe “deu certo” ou “deu errado”, tudo no final é um resultado e às vezes algumas coisas precisam ganhar tempo para se revelar e nos dizer o que significa em nossa vida e há poucos dias me distrai e criei uma expectativa gigante em cima de uma situação que me gerou frustração, daí de pensar: “Que decepção!”

Okok somos feitos de carne e osso e temos emoções diante dos fatos, porém não posso apontar dedos, nem dizer que a culpa é de a ou b! Nãoooo…. Não existe culpa, existe responsabilidade e elas são 100% minhas. Foram as minhas escolhas, a minha entrega de “poder”, a minha fé.

Então, pense um pouco antes de acusar tudo e todos, antes de se trancar no quarto e chorar baldes de lágrimas ou buscar conforto em um copo qualquer! Sejamos práticos e francos conosco – É o que é! Se tivesse dado certo, seria um herói, ok? Agora és um vilão? Rsss! Por favor, nãoooo! Continua sendo a mesma pessoa que talvez e só talvez tenha que reavaliar alguns pontos e fazer alguns ajustes e nada mais.

Eu (ERIC) tenho a crença que o Universo é Deus e Deus é o Universo e tudo isso é sabedoria, sincronicidade, energia e ela não dá volta, não da nó, ela circula na sua mais perfeita perfeição e somos nós (humanos) que sentimos que estamos sendo injustiçados ou que estamos sendo alvos disso ou daquilo!

Querido, querida, acorda pra vida! Toma uma respiração e se não for o suficiente, toma 2, 3 10 e siga a sua vida, assumindo a responsabilidade sobre as suas atitudes e abandone o discurso de decepção porque….

Justificativas não vão te ajudar a consertar nada, consciência sim!

Share